Meteorologia

  • 19 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 21º

JPP insiste no combate "à corrupção e ao compadrio" na Madeira

O cabeça de lista do Juntos Pelo Povo (JPP) às legislativas madeirenses insistiu hoje no compromisso do partido de "combater a corrupção e o compadrio" no arquipélago, salientando a eficácia da sua ação fiscalizadora aos atos do Governo Regional.

JPP insiste no combate "à corrupção e ao compadrio" na Madeira
Notícias ao Minuto

18:32 - 19/05/24 por Lusa

Política Eleições na Madeira

Esta foi a mensagem deixada por Élvio Sousa, candidato de um partido descrito como "genuinamente regional" e o terceiro mais votado na Madeira, com cinco deputados, numa iniciativa da campanha no concelho da Calheta, na zona oeste da ilha da Madeira, para a qual não foi convocada a comunicação social.

Numa nota divulgada esta tarde, pode ler-se que o também deputado regional "reafirmou o compromisso do JPP em combater a corrupção e o compadrio, destacando que o Juntos Pelo Povo tem sido o partido mais eficaz na fiscalização ao atual Governo Regional, do PSD e CDS, com o apoio do PAN".

Salientando que o JPP está "desvinculado dos partidos e interesses centralistas", o secretário-geral desta força política -- um antigo movimento cívico que nasceu e está no poder no concelho de Santa Cruz - defendeu que "a escolha deve recair sobre um partido verdadeiramente da Madeira", representante de "todos os madeirenses e porto-santenses".

Élvio Sousa falou de várias medidas do programa da candidatura, mencionando, entre outras, a fixação de uma estrutura do executivo insular com cinco secretarias e a redução das despesas de funcionamento.

Outra bandeira do partido é "ter um ferry negociado com Canárias", além da abertura de um concurso público internacional para a operação portuária, com o objetivo de baixar preços e, assim, reduzir o custo de vida.

O candidato censurou aquilo que considera ser "as mordomias" existentes no arquipélago, como a acumulação de reformas com vencimentos na política, comprometendo-se a acabar com "essa vergonha que existe pela não revisão do Estatuto [Político-Administrativo] há mais de 20 anos".

"Vamos definir um regime de incompatibilidades e impedimentos, algo que este governo prometeu em 2015 juntamente com o CDS e não cumpriu", afirmou, citado na nota.

Élvio Sousa condenou, por outro lado, o que considera ser "atitude arrogante" de outros partidos na campanha.

"É momento também para mostrar que o JPP, ao contrário de outros partidos, não está com manias de grandezas que veem a escolha política na Madeira como uma disputa entre PS e PSD. Essa é uma postura de falta de humildade e de submissão aos partidos centralistas, que continuam a escravizar o povo da Madeira", sublinhou.

As eleições antecipadas de 26 de maio ocorrem oito meses após as mais recentes legislativas regionais, depois de o Presidente da República ter dissolvido o parlamento madeirense, na sequência da crise política desencadeada em janeiro, quando o líder do Governo Regional (PSD/CDS-PP), Miguel Albuquerque, foi constituído arguido num processo em que são investigadas suspeitas de corrupção.

Há 14 candidaturas a disputar os 47 lugares do parlamento: ADN, BE, PS, Livre, IL, RIR, CDU (PCP/PEV), Chega, CDS-PP, MPT, PSD, PAN, PTP e JPP.

Em setembro de 2023, a coligação PSD/CDS venceu sem maioria absoluta e elegeu 23 deputados. O PS conseguiu 11, o JPP cinco o Chega quatro, enquanto a CDU, a IL, o PAN (que assinou um acordo de incidência parlamentar com os sociais-democratas) e o BE obtiveram um mandato cada.

Leia Também: BE lembra combate à corrupção e acusa Chega de compactuar com PSD

Recomendados para si

;
Campo obrigatório