Meteorologia

  • 14 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 26º

Presidente da IL defende "reforma estrutural" para a saúde

O presidente da Iniciativa Liberal (IL) considerou hoje que "vai ficar aquém das necessidades dos portugueses" o programa de emergência do Governo para a saúde e defendeu uma "reforma estrutural" com contributos dos setores social e privado.

Presidente da IL defende "reforma estrutural" para a saúde
Notícias ao Minuto

15:09 - 19/05/24 por Lusa

Política Presidência

preciso uma reforma estrutural, é preciso uma conceção diferente da saúde. É preciso que o setor social e o setor privado possam contribuir para soluções na saúde dos portugueses e isso não é a visão da AD, portanto, vai ficar sempre aquém das necessidades dos portugueses em matéria de saúde", disse à agência Lusa Rui Rocha.

O presidente da IL, que falava à margem de um almoço em Carcavelos, Cascais, no âmbito da pré-campanha para as eleições europeias com o cabeça-de-lista ao Parlamento Europeu, João Cotrim Figueiredo, foi questionado sobre a mensagem hoje publicada pelo primeiro-ministro na rede social 'X' (antigo Twitter), em que garantiu que a saúde familiar será "um dos eixos" do programa de emergência para o setor que o Governo prevê apresentar em junho.

"Cuidar com proximidade e confiança. No Dia Mundial do Médico de Família realço que a saúde familiar será um dos eixos do nosso programa de emergência. Vamos valorizar os profissionais de saúde e com eles dar respostas aos cidadãos", lê-se na mensagem de Luís Montenegro.

Ressalvando que o programa de emergência do Governo para o setor da saúde ainda não é conhecido, o presidente da IL afirmou que as medidas deveriam ser "mais abrangentes" e serão "insuficiente para tratar das questões que afligem os portugueses em matéria de saúde", tendo em conta o programa eleitoral da AD e o programa do Governo.

Na quarta-feira, no debate quinzenal com o primeiro-ministro na Assembleia da República, o chefe do executivo afirmou que o programa de emergência para a saúde seria apresentado dentro de duas semanas, com especial foco na recuperação de cirurgias, na obstetrícia e nas respostas no âmbito da medicina familiar.

Leia Também: IL diz que governo minoritário é "provável" e volta a rejeitar acordos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório