Meteorologia

  • 20 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 15º MÁX 22º

CDU que aliar a força da reivindicação à da transformação na Madeira

O cabeça de lista da CDU às eleições legislativas antecipadas da Madeira, Edgar Silva, afirmou hoje ser importante que a estrutura partidária passe a ser a "força da transformação" aliada à "força da reivindicação".

CDU que aliar a força da reivindicação à da transformação na Madeira
Notícias ao Minuto

23:52 - 18/05/24 por Lusa

Política Eleições na Madeira

"A população, em muitos lugares, reconhece que quando é para lutar é com a CDU. A CDU é reconhecida como força reivindicativa, a força da reivindicação, mas é preciso agora que a CDU, sendo importante ser a força da reivindicação, da luta, passe a ser a força da transformação", afirmou.

Edgar Silva falava num jantar/comício de apoio à candidatura, no Funchal, que contou com a presença do secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, e no qual participaram cerca de 200 militantes e simpatizantes, segundo dados da organização.

"As pessoas reconhecem que podem contar com a CDU para reivindicar, para organizar a luta e para conquistar direitos, e isso é muito bom, é muito importante, mas está na nossa mão conseguir mais, está na nossa mão fazer com que esta força reivindicativa que é a CDU possa ser agora a força da transformação", insistiu.

O cabeça de lista da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta PCP e PEV, lembrou que o círculo eleitoral da Madeira é único, pelo que "todos os votos contam", vincando que "serão bem-vindos e sobretudo não trairão o povo que dá esse voto".

"Mas como é que se faz para que a CDU, para além de ser a força reivindicadora, seja a força transformadora?", questionou, explicando que a resposta é "relativamente simples" e consiste em "mais votos na CDU".

"Quanto mais votos a CDU tiver, para além de ganhar mais força para reivindicar, teremos melhores condições para transformar, para mudar a sociedade", sublinhou Edgar Silva, também coordenador regional da coligação e do PCP.

As legislativas da Madeira de 26 de maio decorrem com 14 candidaturas a disputar os 47 lugares no parlamento regional, num círculo eleitoral único: ADN, BE, PS, Livre, IL, RIR, CDU (PCP/PEV), Chega, CDS-PP, MPT, PSD, PAN, PTP e JPP.

As eleições antecipadas ocorrem oito meses após as mais recentes legislativas regionais, depois de o Presidente da República ter dissolvido o parlamento madeirense, na sequência da crise política desencadeada em janeiro, quando o líder do Governo Regional (PSD/CDS-PP), Miguel Albuquerque, foi constituído arguido num processo em que são investigadas suspeitas de corrupção.

Em setembro de 2023, a coligação PSD/CDS venceu sem maioria absoluta e elegeu 23 deputados. O PS conseguiu 11, o JPP cinco, o Chega quatro, enquanto a CDU, a IL, o PAN (que assinou um acordo de incidência parlamentar com os sociais-democratas) e o BE obtiveram um mandato cada.

Leia Também: Raimundo diz que voto na CDU determina recuo na injustiça e na corrupção

Recomendados para si

;
Campo obrigatório