Meteorologia

  • 24 MAIO 2024
Tempo
23º
MIN 13º MÁX 25º

Passos Coelho via na 'troika' "um bem virtuoso" e "eu um mal necessário"

O antigo líder do CDS-PP Paulo Portas disse hoje que Passos Coelho via na 'troika' "um bem virtuoso", enquanto ele a considerava "um mal necessário" e apontou a TSU dos reformados como um dos momento difíceis da coligação.

Passos Coelho via na 'troika' "um bem virtuoso" e "eu um mal necessário"
Notícias ao Minuto

22:04 - 21/04/24 por Lusa

Política Paulo Portas

s vezes Passos Coelho achava ou dava a entender que achava a 'troika' um bem virtuoso, eu achava a 'troika' um mal necessário", afirmou Paulo Portas no seu espaço de comentário televisivo na TVI, respondendo às declarações do então primeiro-ministro e parceiro de coligação governamental durante o período em que Portugal esteve sobre intervenção da União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional.

Na semana passada, em entrevista ao 'podcast' "Eu estive lá", da rádio Observador, o antigo presidente do PSD, em conversa com a jornalista Maria João Avillez, revelou que durante o seu governo com o CDS-PP, a 'troika' sinalizou "a partir de certa altura" que havia um problema de confiança em relação ao parceiro de coligação e ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, e "passou a exigir cartas assinadas" por ele.

"Julgo que ele não sabe isto: para impedir uma humilhação do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, obriguei o ministro das Finanças a assinar comigo e com ele a carta para as instituições. Assinámos os três. A ´troika´' exigia uma carta só dele. Porque não confiava nele", contou Passos Coelho.

Questionado sobre se sabia desta exigência para que assinasse cartas, Paulo Portas disse que assinou várias cartas para a 'troika' e assinalou que "em democracia, quem dá mandatos de confiança são os portugueses".

Afirmando que "quem não se sente, não é filho de boa gente", Paulo Portas considerou que os comentários do ex-primeiro-ministro "não foram apropriados, nem justos", mas recusou "usar conversas privadas entre líderes políticos" e entrar "em polémica pessoal" com Passos Coelho.

"Estamos em 2024, acabou de chegar um Governo de centro-direita, não vejo qual seria a utilidade de contribuir para essa polémica", comentou.

Paulo Portas lembrou que coincidia com Passos Coelho na necessidade de resolver o problema da insolvência de Portugal, em cumprir um memorando da "troika" que não tinham negociado e em procurar encontrar uma saída limpa de Portugal do programa de emergência, mas apontou a TSU dos reformados como uma das principais divergências e um "momento difícil" na coligação.

"Não raramente, Passos Coelho usava a expressão do 'ir além da troika'. Sempre fui mais cético sobre essa ideia. Para mim, para aguentar aquele programa que resolvesse a falência de Portugal e nos permitisse recuperar a nossa normalidade era preciso coesão social na sociedade portuguesa, que as pessoas sentissem que os sacrifícios eram equitativos, as restrições eram distribuídas e não passavam um certo limite", disse.

"A TSU das pensões foi um dos momentos difíceis. A medida vinha como medida vinha como estrutural, portanto obrigatória de cumprimento e condição de financiamento. Depois dessa tensão, essa medida passou a opcional e deixou de ser condição de financiamento. Eu achava que era uma penalização dupla sobre os pensionistas, que passava os limites e ia criar a ideia nos idosos de que estavam a ser escolhidos como alvo num programa. Acho que o tempo me deu razão", afirmou, adiantando que seis meses depois a medida se revelou desnecessária.

Para Paulo Portas, se a medida não era necessária, "provavelmente era exagerada" e, para o agora comentador, com "um bocadinho mais de flexibilidade e um bocadinho menos de rigidez", o programa poderia ter-se feito "sem desequilibrar em excesso socialmente a coesão do país".

"Não havia necessidade", rematou.

[Notícia atualizada às 22h27]

Leia Também: "Inaceitável". Ferreira Leite critica Passos após polémica entrevista

Recomendados para si

;
Campo obrigatório