Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 30º

"Desrespeito". Governo caiu e "nada se sabe" do processo contra Costa

Augusto Santos Silva denunciou que "o Parlamento foi dissolvido, realizaram-se eleições e nada as autoridades competentes se dignaram esclarecer sobre a iniciativa que esteve na origem de todos esses desenvolvimentos".

"Desrespeito". Governo caiu e "nada se sabe" do processo contra Costa
Notícias ao Minuto

15:55 - 07/04/24 por Notícias ao Minuto com Lusa

País Augusto Santos Silva

O ex-presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, teceu duras críticas à Procuradoria-Geral da República (PGR), este domingo, face à falta de informações sobre o processo no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) que visa o antigo primeiro-ministro, António Costa, cinco meses depois da divulgação do comunicado de imprensa que levou ao pedido de demissão do então chefe do Governo e desencadeou a crise política que culminou com a queda do Executivo socialista e a eleição de um novo elenco governativo.

“Fazem hoje cinco meses que um comunicado de imprensa da Procuradoria-Geral da República informou o país de que corria no Supremo Tribunal de Justiça (STJ) um inquérito-crime sobre o então primeiro-ministro, levando-o a apresentar a sua demissão, com a consequente queda do Governo”, começou por expor Santos Silva, este domingo, na rede social Facebook.

O socialista assinalou que, “desde então, nada mais se sabe, tendo-se limitado a PGR a publicar outra nota sobre a distribuição de processos por equipas de magistrados”. O responsável foi mais longe, tendo recordado que “o Parlamento foi dissolvido, realizaram-se eleições e nada as autoridades competentes se dignaram esclarecer sobre a iniciativa que esteve na origem de todos esses desenvolvimentos”.

O próprio visado nunca foi ouvido. Há quem possa achar que isto é o decurso normal da Justiça, no seu tempo próprio. Para mim, é uma violação grosseira de princípios básicos do Estado de direito, incluindo o desrespeito pela separação de poderes, o desprezo pelo direito dos cidadãos à informação essencial para as suas escolhas cívicas e uma ofensa aos direitos fundamentais de qualquer pessoa, seja qual for a sua condição privada ou pública”, atirou.

Saliente-se que, na despedida de António Costa do Conselho Europeu, o antigo chefe do Governo escusou-se a comentar as declarações então proferidas pela procuradora-geral da República, Lucília Gago, que afirmou que o caso que o visa poderá descer do STJ para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

"Já tive ocasião de explicitar que quando a Justiça pretender falar comigo, sabe onde eu estou, sabe o meu número de telefone. Não falo com a justiça através da comunicação social", disse.

Recorde-se ainda que a Operação Influencer levou à detenção de Vítor Escária, chefe de gabinete de António Costa, assim como do advogado, consultor e amigo do ex-primeiro-ministro Diogo Lacerda Machado, dos administradores da empresa Start Campus Afonso Salema e Rui Oliveira Neves, e ainda do presidente da Câmara de Sines, Nuno Mascarenhas, que o juiz colocou em liberdade após interrogatório judicial.

Além destes, há outros quatro arguidos no processo, incluindo o ex-ministro das Infraestruturas João Galamba, o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, Nuno Lacasta, o advogado, antigo secretário de Estado da Justiça e ex-porta-voz do Partido Socialista (PS) João Tiago Silveira e a empresa Start Campus.

O processo está relacionado com a produção de energia a partir de hidrogénio em Sines, Setúbal, e com o projeto de construção de um centro de dados na zona industrial e logística de Sines pela Start Campus. António Costa surgiu associado a este caso e foi alvo da abertura de um inquérito no Ministério Público junto do STJ, situação que o levou a pedir a demissão e à realização de eleições antecipadas, no dia 10 de março.

Ainda assim, em fevereiro, o juiz da Operação Influencer considerou contraditória e vaga a tese do Ministério Público de que os arguidos Diogo Lacerda Machado e Vitor Escária tentaram pressionar António Costa para aprovação de um decreto-lei favorável à sociedade Start Campus, argumentação constante da resposta do magistrado Nuno Dias Costa ao recurso do Ministério Público de contestação às medidas de coação, nenhuma das quais privativa de liberdade.

Leia Também: "Útil" e "bom humor". Despedida de Costa em Bruxelas (com 'farpas' à PGR)

Recomendados para si

;
Campo obrigatório