Meteorologia

  • 17 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 14º MÁX 28º

Chega a crescer? "Dói e custa a ver", mas Alegre recusa "benevolência"

Manuel Alegre assumiu que lhe "dói e custa ver" que "há muita gente mal formada ou desinformada que vota contra o sistema democrático constitucional", numa altura em que Portugal está prestes a comemorar 50 anos do 25 de Abril.

Chega a crescer? "Dói e custa a ver", mas Alegre recusa "benevolência"
Notícias ao Minuto

10:23 - 02/04/24 por Daniela Carrilho

Política Manuel Alegre

O dirigente histórico do Partido Socialista (PS), Manuel Alegre, assumiu que, no ano em que se comemoram os 50 anos do 25 de Abril, lhe "custa ver" a extrema-direita a crescer em Portugal.

"O que me dói e o que me custa é ver que 50 anos depois do 25 de Abril, há muita gente mal formada ou desinformada que vota contra o sistema democrático constitucional", afirmou Manuel Alegre em declarações à RTP2.

Para o socialista, "falhou a pedagogia democrática" e "a escola na transmissão dos valores democráticos".

Além disso, Manuel Alegre recusou-se a dar "benevolência" ao partido Chega, considerando que "aqueles que votaram na democracia" é que "precisam de ser acarinhados".

"Agora acho que a melhor maneira de combater a extrema-direita e o populismo é resolver os problemas concretos das pessoas", afiançou Manuel Alegre.

Por sua vez, enfatizou que o seu partido terá a obrigação de ser oposição do Governo, considerando que "não pode fazer uma política de 'bota abaixo' e fazer uma política responsável de oposição". Além disso, o PS "não pode permitir que a voz da oposição se confunda com o Chega".

De recordar que as memórias de Manuel Alegre, compostas por pequenas histórias que traçam também um retrato do Portugal dos anos 1950 até ao país livre após o 25 de Abril, chega às livrarias esta terça-feira, dia 2 de abril.

Leia Também: 'Memórias minhas' de Manuel Alegre chega as livrarias no dia 2 de abril

Recomendados para si

;
Campo obrigatório