Meteorologia

  • 31 JANEIRO 2023
Tempo
12º
MIN 4º MÁX 14º

"PS teve três anos de oposição medíocre e errática"

O deputado do PS, Sérgio Sousa Pinto, escreve hoje num artigo que assina no Diário de Notícias que o Partido Socialista é uma "oposição mobilizadora, determinada, capaz e liderante no Parlamento e no País" garantindo ainda que a oposição tem sido "medíocre, hesitante e errática".

"PS teve três anos de oposição medíocre e errática"
Notícias ao Minuto

14:15 - 22/07/14 por Notícias Ao Minuto

Política Sérgio Sousa Pinto

O deputado do PS, Sérgio Sousa Pinto, num texto de opinião que hoje assina no Diário de Notícias afirma que nos últimos anos o Partido Socialista teve um papel determinante e que por isso, a candidatura de António Costa à liderança dos socialistas é incompreensível. "Uma oposição mobilizadora, determinada e capaz, protagonizada pelo PS e liderante no Parlamento e no País, é natural que não perceba a razão de ser da candidatura de António Costa à liderança do PS”.

“Reduzir o conflito a um duelo de egos, em que a Costa é reservado o papel de ambicioso e maquiavélico vilão e a Seguro o de mártir inconsolável e carpideiro, que passeja pelo País o seu ressentimento, com um punhal cravado na omoplata direita”, é assim que Sérgio Sousa Pinto descreve os dois candaditos à presidência do PS.

O verdadeiro problema do PS é político, apesar de o tentarem converter numa novela, garante o deputado. “A chorosa novelização do problema político do Partido Socialista não resiste aos factos, duros, como punho, de três anos de oposição medíocre, hesitante e no geral errática e inepta. Esse é o problema. Puramente político”.

Relativamente aos piores momentos do Partido Socialista, Sérgio Sousa Pinto, começa por dizer que um deles foi quando o PS se absteve no Orçamento do Estado para 2012. "Absteve-se porquê? Porque não era fácil distanciar-se de políticas com as quais no essencial, concordava”.

“Digno também de ser recordado é o episódio do pedido de fiscalização sucessiva da constitucionalidade de certas disposições do Orçamento, designadamente a matéria dos cortes nas pensões e da supressão dos subsídios de férias e de Natal, A direção do partido foi frontalmente contrária a essa iniciativa e exerceu tal pressão sobre os deputados do PS, que houve que procurar algumas assinaturas na bancada do Bloco”, acrescenta.

Em jeito de elogio, o deputado garante que foi devido à firmeza de uns quantos deputados socialistas que houve a intervenção do Tribunal Constitucional, "que o deserto político acabaria por converter na principal esperança da oposição social ao Governo”.

“O PS precisa de tempo e força para poder protagonizar uma verdadeira alternativa que rompa a gaiola de ferro do neoliberalismo europeu e doméstico”, afirma.

“Este PS, indiferente à agonia lenta que se autoimpôs permanece refém de uma cultura implacável de sobrevivência, uma esperteza feita de habilidade e manha, completamente estranha à cultura do partido, mas profusamente enfeitada de princípios e valores. Esperemos que as primárias, nascidas desse caldo, sejam instrumento da sua destruição”, remata o deputado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório