Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 25º

Moção de rejeição? "É um sinal político de clareza", garante Raimundo

Paulo Raimundo considerou que "houve três milhões de votos na Direita construídos a partir do engano, da mentira, e de uma exigência de mudança".

Moção de rejeição? "É um sinal político de clareza", garante Raimundo

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), Paulo Raimundo, defendeu, esta quarta-feira, que o partido "estará na primeira linha de combate à Direita e ao projeto da Direita" e explicou que a moção de rejeição ao programa da Aliança Democrática "é um sinal político de clareza".

"Nós estaremos na primeira linha de combate à Direita e ao projeto da Direita. Estaremos na primeira linha de combate a um projeto que não serve nem os trabalhadores nem o país. É um projeto que tem história, que foi interrompido em 2015 e que a Direita quer retomar", afirmou, em entrevista à RTP 3.

Questionado sobre o seu anúncio de moção de rejeição ao programa de governo da Aliança Democrática (AD), Paulo Raimundo reiterou que o PCP estará "na primeira linha de combate à Direita e ao seu projeto" e, por isso, "utilizará todos os meios ao seu dispor para isso", rejeitando que a decisão tenha sido precoce.

"O que nós afirmámos foi que se o governo do PSD for indigitado, tendo em conta o programa que tem, o projeto que tem, o projeto que tem a Direita toda para o país, nós estaremos na primeira linha de combate. E, se isso acontecer, teremos a iniciativa de uma moção de rejeição", asseverou.

Paulo Raimundo justificou a decisão com o facto de o programa da AD "não corresponder às necessidades do povo, nem dos trabalhadores, nem do país".

"Achamos, inclusive, que houve três milhões de votos na Direita construídos a partir do engano, da mentira, e de uma exigência - que, de facto, se exige - de mudança. Mas a mudança necessária, a mudança nos salários, no Serviço Nacional de Saúde (SNS), na Habitação, nas reformas e pensões, nos direitos dos pais e das mães das crianças, nos trabalhadores por turno e por aí fora, não virá de um governo PSD/CDS-PP", atirou. 

A moção de rejeição trata-se de "um sinal político de clareza para o próximo eventual governo saber com o que conta", explicou ainda, frisando que, se depender do PCP, "o projeto da Direita não será implementado".

Sobre o resultado do PCP nas eleições legislativas do passado domingo, nas quais o partido perdeu dois deputados, Paulo Raimundo reconheceu que "foi um resultado negativo" e mostrou-se "insatisfeito" porque "não é um resultado positivo para os trabalhadores e para o povo".

"Nós estamos insatisfeitos com o resultado, mas também acredito que aqueles que vaticinaram o nosso desaparecimento também não estejam muito satisfeitos", atirou, acrescentando que "os últimos dois anos" foram "marcados" pela criação de um "clima profundamente anti-PCP e anti-CDU". 

Paulo Raimundo acusou ainda o PS de ter "responsabilidade" no crescimento da Direita, incluindo do Chega, "por não responder aos problemas das pessoas", o que "aumentou ainda mais a indignação e a insatisfação".

"E quando se aumenta a indignação e a insatisfação, exige-se aquilo que é preciso exigir: a mudança. Tinha era de ser uma mudança a sério e não uma mudança a brincar", afirmou, acusando ainda o PS de ter "respondido aos problemas dos grupos económicos" ao invés.

Leia Também: IL reage a moção de rejeição do PCP: "Tentativa de prova de vida"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório