Meteorologia

  • 19 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 21º

Tentativa de "desvirtuar resultados"? CNE sem conhecimento de queixas

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) não tem registo de qualquer queixa sobre qualquer tentativa de "desvirtuar o resultado" das legislativas de dia 10, depois do líder do Chega ter levantado suspeitas no sábado.

Tentativa de "desvirtuar resultados"? CNE sem conhecimento de queixas
Notícias ao Minuto

15:53 - 03/03/24 por Lusa

Política Eleições

Contactado pela agência Lusa, o porta-voz da CNE, Fernando Anastácio, escusou-se a comentar as denúncias feitas no sábado pelo presidente do Chega, André Ventura, mas esclareceu que não existe qualquer investigação ou inquérito sobre essa matéria.

"Não tenho nota de qualquer queixa entregue" e "esse assunto não foi apreciado" pela CNE, afirmou aquele responsável.

Sobre essas queixas, "ainda ninguém perguntou, a não ser os órgãos de comunicação social", limitou-se a dizer Fernando Anastácio.

No sábado, na Figueira da Foz, o presidente do Chega, André Ventura, alegou estar em curso uma tentativa para "desvirtuar o resultado" das eleições, que passa por "anular os votos" do seu partido.

"Está em curso uma tentativa de desvirtuar o resultado destas eleições em Portugal e nós temos de estar muito atentos a isso", afirmou o dirigente, que disse ter relatos por parte de comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo de que existem boletins de voto que "não chegaram" ou "parece que só chegam a alguns e não chegam aos outros".

"Pelos consulados, dominados pelo PS e PSD pelo mundo fora, ouvimos chegar notícias de tentativas verdadeiras de boicote ao voto", disse, falando também em "vídeos que circulam permanentemente de pessoas a dizer que vão anular os votos do Chega e que vão condicionar os votos do Chega", sem concretizar.

Os círculos eleitorais dos emigrantes (Europa e Fora da Europa) representam apenas quatro eleitos (dois mais dois) num universo de 230 parlamentares e são normalmente obtidos pelos dois partidos mais votados, por distribuição pelo método de Hondt.

Perante as suspeitas que levantou, o líder do Chega considerou que se trata de "um problema particularmente importante" e pediu aos apoiantes que estejam "muito atentos a estas eleições".

"Temos de ter olho aberto, não nos podem enganar nestas eleições", salientou, justificando que isto acontece "agora que sabem que estes emigrantes, fartos de socialismo e social-democracia, querem uma mudança".

"Estamos debaixo de ataque", afirmou, replicando uma tática de atacar o processo eleitoral, utilizada por outros líderes políticos populistas, como Trump ou Bolsonaro, já muito elogiados por Ventura.

Leia Também: Eleições? Ventura diz estar em curso tentativa de "desvirtuar resultado"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório