Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Costa usa o humor para criticar Cavaco, Barroso, Santana e Passos

O ex-secretário-geral do PS recorreu hoje ao humor para sustentar que a Aliança Democrática (AD) está sem fonte de inspiração para governar, dizendo que os quatro anteriores primeiros-ministros do PSD são incompatíveis com o presente.

Costa usa o humor para criticar Cavaco, Barroso, Santana e Passos
Notícias ao Minuto

22:15 - 02/03/24 por Lusa

Política António Costa

"Tenho registado a impreparação que a AD tem para governar. E não é por irem buscar inspiração aos anteriores primeiros-ministros da AD que eles vão conseguir governar nos dias de hoje", declarou António Costa no final da sua longa intervenção no comício do PS, no Porto.

O líder do executivo começou por se referir a Cavaco Silva, primeiro-ministro entre 1985 e 1995.

"O mais antigo não governou só numa era em que não havia internet, em que não havia providências cautelares. Ele verdadeiramente governou e conseguiu ganhar eleições quando só havia uma televisão em Portugal, que era aliás comandada pelo seu ministro Adjunto", declarou, numa alusão a Marques Mendes.

A seguir, falou de José Manuel Durão Barroso, primeiro-ministro entre 2022 e 2004, depois presidente da Comissão Europeia.

"Quanto ao outro, percebeu que governar não era inaugurar e achou que era melhor ir para Bruxelas", apontou, provocando risos na plateia. O mesmo aconteceu quando falou de Pedro Santana Lopes, que ainda não apareceu na campanha da AD.

"O terceiro [Pedro Santana Lopes], até queria que eles o convidassem, mas eles não convidam", observou.

Já em relação a Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro entre 2011 e 2015, associou-o ao discurso do Chega.

"E o último veio [à campanha da AD] e o que verdadeiramente fez foi o truque que nós percebemos que eles fazem. Eles dizem para o Chega sair pela porta, mas, depois, o Chega entra pela janela e contamina-os sobre os estrangeiros e outras ideias", acrescentou.

Mais de 10,8 milhões de portugueses são chamados a votar em 10 de março para eleger 230 deputados à Assembleia da República.

A estas eleições concorrem 18 forças políticas, 15 partidos e três coligações.

Leia Também: "Interromperam o jogo, mas vamos ganhar as eleições", assegura Costa

Recomendados para si

;
Campo obrigatório