Meteorologia

  • 17 ABRIL 2024
Tempo
25º
MIN 14º MÁX 28º

Rui Tavares alega que voto no Livre "é o mais decisivo de todos"

O porta-voz do Livre Rui Tavares alegou hoje que o voto no seu partido "é o mais decisivo de todos", mostrando-se convicto de que os deputados eventualmente eleitos serão determinantes para uma vitória da esquerda nas legislativas.

Rui Tavares alega que voto no Livre "é o mais decisivo de todos"
Notícias ao Minuto

19:13 - 25/02/24 por Lusa

Política Livre

"Diz-se sempre, a cada eleição, que essa eleição é decisiva. Bem, esta podemos dizer mil vezes, porque esta eleição é inteiramente decisiva para o nosso país. E dentro dessa eleição, na qual se joga o nosso contrato democrático, social e o futuro do contrato ambiental que queremos, o voto no Livre é o mais decisivo de todos", defendeu o dirigente, no Teatro Thalia, em Lisboa, numa festa-comício de arranque da campanha oficial para as legislativas antecipadas de março.

Tavares definiu o Livre como "a esquerda do futuro, dos direitos humanos, da Europa, da ecologia" e "a esquerda que está a crescer".

"Nesse dia 10 de março, quando os votos forem contados, e quando a esquerda ganhar essas eleições, podem ter a certeza que é por um voto no Livre, que é por um deputado ou deputada do Livre que essa vitória vai ser alcançada. Não há voto mais decisivo do que o voto no Livre", assegurou.

Num discurso com avisos sobre o crescimento da extrema-direita, o historiador procurou fundamentar a ideia de que as propostas do partido, por vezes criticadas ou apontadas como utópicas por outras forças políticas, são possíveis, dando como exemplo a atribuição de um subsídio de desemprego para vítimas de violência doméstica, que já é lei.

Tavares enumerou propostas avançadas nesta campanha, como a "herança social", que visa permitir a um jovem entre os 18 e 35 anos aceder a uma quantia que pode ter origem na taxação de "grandes heranças" ou através da rentabilização de certificados de aforro.

"É com um sorriso na cara que vamos virar este jogo e que se constrói o futuro deste país", sustentou.

Tavares considerou que o voto no Livre será também decisivo para saber o que se vai discutir durante a campanha: "se é a agenda dos políticos ou das políticas. Se é a agenda partidária, do comentário, a agenda mediática de ciclo curto ou se é a agenda dos cidadãos, do que interessa para as suas vidas".

O historiador lembrou que nas legislativas de 2022 um dos temas que veio ao debate foi o da prisão perpétua, e que, na altura, o partido escolheu falar da atribuição do subsídio de desemprego a quem queira terminar qualificações ou vítimas de violência doméstica.

"De cada vez que quiserem levar a agenda para a divisão e para o ódio, nós vamos trazer ao debate a agenda de trabalho de quatro dias, e a herança social", garantiu.

O dirigente apelou à mobilização das estruturas locais do partido durante as próximas duas semanas, pedindo-lhes que fiquem "mais trinta segundos" a falar com um cidadão "zangado ou frustrado" que "tem vontade de ceder ao desânimo", gesto que definiu como determinante para o futuro da democracia no país.

Antes da intervenção do deputado único, a 'número dois' por Lisboa e deputada municipal, Isabel Mendes Lopes, advogou que a esquerda é a única que consegue dialogar, ao contrário da direita, que demonstra "confusão e falta de clareza".

"A única solução de futuro que pode sair destas eleições é uma solução de esquerda. O Livre está cá para que a esquerda no seu conjunto cresça, e com o Livre também. (...) Na campanha temos que dizer que o voto útil é aquele que é convicto e é aquele em que acreditamos e que o voto útil é um voto no Livre", apelou.

A também porta-voz e cabeça-de-lista por Braga, Teresa Mota, garantiu que "o Livre não se rende ao pessimismo, o Livre ousa a esperança, o Livre é a esquerda do futuro" e o 'numero um' pelo Porto, Jorge Pinto, defendeu como essencial "garantir que Portugal não regride décadas no espaço de uma noite", numa referência à extrema-direita.

[Notícia atualizada às 19h38]

Leia Também: Raimundo critica "agenda da bolha mediática" e denuncia bipolarização

Recomendados para si

;
Campo obrigatório