Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 22º

"Não será ação menos feliz que marca protesto das forças de segurança"

Paulo Raimundo falou sobre os protestos das autoridades que aconteceram na segunda-feira, enquanto o grande último debate - entre PS e AD - decorria.

"Não será ação menos feliz que marca protesto das forças de segurança"
Notícias ao Minuto

15:26 - 21/02/24 por Teresa Banha

Política Paulo Raimundo

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), Paulo Raimundo, reagiu, esta quarta-feira, aos protestos dos polícias no Capitólio durante o debate eleitoral entre os lideres da Aliança Democrática e Partido Socialista, que levou a IGAI a abrir um processo para esclarecer a situação.

"Acho que se há alguém que respeita a Constituição, se há alguém que atribui a sua vontade ao dia-a-dia do funcionamento da sociedade, entre muita gente, há homens e mulheres das forças de segurança - com uma grande responsabilidade e dedicação à causa pública. Acho que aquilo que é o sentimento da larga maioria desses agentes da PSP, GNR e guardas prisionais é um sentimento de não permitir que não se abandonem as reivindicações, não se permitir que se esqueçam os problemas que têm - condições de trabalho, salários, subsídio de risco - num quadro em que se desenvolva a seu favor e não contra eles próprios", considerou, em declarações aos jornalistas, em Lamego, no distrito de Viseu.

Questionado sobre se a manifestação, que aconteceu na segunda-feira, foi uma falta de responsabilidade, Paulo Raimundo considerou que neste momento se enfrentam problemas "muito significativos e que não são de agora", tendo sim dezenas de anos.

"Aquilo que tem marcado os protestos e ações das forças de segurança tem sido um grande respeito, um grande compromisso com a democracia e constituição - e naturalmente que não será esta ou aquela declaração mais inflamada ou esta ou aquela ação menos feliz que vai marcar aquilo que foi e é o protesto das forças de segurança", justificou.

Paulo Raimundo defendeu ainda que o que marcou o dia em causa foi "a grande ação que se desenvolveu" no Terreiro do Paço. "Tudo o resto são iniciativas que só responsabilizam os próprios que nela participaram", apontou.

Na segunda-feira, após uma concentração que juntou na Praça do Comércio, em Lisboa, cerca de 3.000 elementos da PSP e da GNR, muitos seguiram para o Capitólio, onde decorreu o debate eleitoral entre Pedro Nuno Santos e Luís Montenegro, numa marcha espontânea que não foi autorizada.

Entretanto, o diretor nacional da PSP determinou a realização de um inquérito interno sobre as circunstâncias do protesto de agentes daquela polícia junto Capitólio, tendo em "conta o eventual envolvimento de polícias da PSP numa ação não comunicada".

Leia Também: IGAI abre processo para esclarecer concentração de polícias no Capitólio

Recomendados para si

;
Campo obrigatório