Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
MIN 9º MÁX 16º

SNS, pobreza, vistos gold e "nova Venezuela"? O debate entre AD e BE

Realizou-se, esta terça-feira, mais um debate televisivo para as Eleições Legislativas de 10 de março entre Luís Montenegro e Mariana Mortágua.

SNS, pobreza, vistos gold e "nova Venezuela"? O debate entre AD e BE
Notícias ao Minuto

20:45 - 06/02/24 por Notícias ao Minuto

ao minuto Ao Minuto Política PSD/BE

O presidente do Partido Social Democrata (PSD) e cabeça de lista da Aliança Democrática (coligação que junta PSD, CDS-PP e PPM) por Lisboa, Luís Montenegro, e a coordenadora do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, defrontaram-se, esta terça-feira, num debate televisivo para as Eleições Legislativas de 10 de março.

De notar que este é um do total de 30 debates televisivos que vão ser transmitidos até 23 de fevereiro. São 28 embates entre os líderes partidários,  um entre todos os partidos com assento parlamentar (23 de fevereiro) e outro com os partidos que não estão representados na Assembleia da República (20 de fevereiro).

Fim de cobertura

Carmen Guilherme | há 3 semanas

Terminamos aqui o acompanhamento AO MINUTO do debate entre Luís Montenegro e Mariana Mortágua. Obrigada por ter estado desse lado.

"A sua máxima é: o país está pior e as pessoas muitíssimo pior"

Carmen Guilherme | há 3 semanas

Montenegro responde a Mortágua: "A sua máxima é: o país está pior e as pessoas muitíssimo pior"

"Eu quero criar mais riqueza e para criar mais riqueza eu tenho de ter investimento e para ter investimento tenho de ser atrativo", diz o líder do PSD, dando o exemplo de países como a Hungria e Polónia que tiveram as "teses" do BE e que, depois de os abandonarem, "estão hoje muito mais à nossa frente".

"Os modelos económicos fazem a diferença. O seu modelo económico já foi rejeitado historicamente, nomeadamente no Leste da Europa", reforçou.

"A sua intenção até pode ser muito boa, mas o resultado da sua política é o agravamento da pobreza", rematou.

 

"Acredito numa economia justa em que quem tem mais lucros dá contributo"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

"Acredito numa economia justa em que quem tem mais lucros dá um contributo", disse a bloquista, acusando Montenegro de ter uma "proposta de reduzir impostos à banca, à grande distribuição e à energia".

"No IRS, ambos propomos descidas no IRS e o programa do Bloco tem uma descida do IRS proposta e contabilizada", acrescentou.

"É com justiça fiscal que depois conseguimos contratar os médicos e garantir uma distribuição de riqueza. 5% da população tem metade de toda a riqueza e o doutor Montenegro quer agravar esse problema", atirou.

"Os impostos elevados comprimem a capacidade do país de criar riqueza"

Carmen Guilherme | há 3 semanas

"Mariana Mortágua acredita que a sociedade cria mais riqueza e é capaz de a distribuir melhor com altíssimos impostos sobre as pessoas, famílias, empresas", diz Luís Montenegro.

"Nós defendemos os contrário. Os impostos elevados comprimem a capacidade do país de criar riqueza", acrescenta, defendendo que é preciso "dar folga" à classe média, nomeadamente através de uma descida do IRS, sobretudo para os jovens que estão a sair do país.

"Defendemos também premiar a produtividade", frisa.

Montenegro acaba ainda por anunciar que a AD apresentará o seu programa eleitoral na próxima sexta-feira, depois de Mariana Mortágua por várias vezes o ter criticado por não ter divulgado esse documento antes dos debates televisivos.
 

"Descobriremos que a AD não tem nenhuma proposta para aumentar salários"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

"A única forma que o PSD tem de agir sobre a economia é de garantir ou dar dinheiro público para aquilo que as grandes empresas deviam fazer. Se é preciso subir os salários porque é que não se sobem os salários? Porque é que se engana as pessoas dizendo que o salário não sobe e o que desce é o imposto sobre aquele salário?", questionou Mariana Mortágua.

"A AD não tem nenhuma proposta para baixar o preço das casas - isso já vimos. Descobriremos também que não tem nenhuma proposta para aumentar os salários", atirou.

"O que Mariana Mortágua quer é uma nova Venezuela ou Cuba"

Carmen Guilherme | há 3 semanas

"O que Mariana Mortágua quer é uma nova Venezuela ou Cuba, uma coisa do género", acusa o líder do PSD, numa referência à proposta do BE de tabelar rendas.

"A Mariana Mortágua não tem propostas para baixar os preços [das casas]. Tem o sonho de baixar o preço, quase que por magia", acrescenta. 
 
 

Habitação? "O que o PSD tem para apresentar é política de especulação"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

"Tudo o que o PSD tem para apresentar é uma política de especulação, de selva no arrendamento e de proteção dos lucros na banca", acusou Mariana Mortágua sobre a temática da Habitação.

"As pessoas não têm acesso à habitação e parece-me de bom senso que se possa dizer que um T0 não pode custar mil euros numa grande cidade. Tem de haver regras", acrescentou, destacando a necessidade de baixar os juros dos créditos da habitação.

Mortágua acusou o PSD de ser responsável por políticas que levaram ao despejo de idosos e acusou mesmo o partido de ter "mandado uma equipa de ministros à Rússia para reunir com a oligarquia de Putin para vender vistos gold".

"Foi assim que as cidades se inundaram de vistos gold para comprar as casas que tinham sido despejadas com os idosos que foram mandados para a rua", acusou, dizendo que para Montenegro "o Estado só serve para garantir lucros para o privado e para a especulação".

Habitação? "Temos de atuar sobre a oferta e sobre a procura"

Carmen Guilherme | há 3 semanas

"Esta visão, segundo a qual, é possível tabelar os preços do arrendamento, ou até da venda de casas, é o que faz com que não haja oferta de casas no mercado", diz Luís Montenegro, sobre as propostas do Bloco de Esquerda para a Habitação. 

"Temos de atuar sobre a oferta e sobre a procura", defende. Como? Para líder do PSD tal acontece "facilitando a vida aos promotores e investidores" com "menos burocracia e menos fiscalidade". Além disso, é necessário, aponta, "dar às pessoas mais condições de acesso", sobretudo aos jovens.

Na mesma intervenção, o social-democrata vira ainda as críticas para Pedro Nuno Santos. "Tivemos um primeiro-ministro e um ministro da Habitação, que Mariana Mortágua pretende que seja seu parceiro de governação, que são responsáveis pelo falhanço total na política de Habitação".

"BE defende e tem currículo" na área da Saúde, "coisa que o PSD não tem"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

Mariana Mortágua lembrou que, sobre o "desempenho do SNS, o BE teve "um conflito com o Partido Socialista", frisando que irá discutir esse conflito com o PS e não com o PSD.

"O BE defende e tem currículo" em propostas na área da Saúde, "coisa que o PSD não tem e não faz ideia de como se contratam médicos de família".

"O PSD não tem contas que permitam provar como é que vai pagar ao privado para ir buscar médicos ao SNS", atirou.

Sobre as PPP, Mariana Mortágua frisou "todos os relatórios do Tribunal de Contas dizem que as PPP tinham uma performance igual ou pior ao sistema público com muito mais custo".

Mortágua? "Candidata a ministra da Saúde do doutor Pedro Nuno Santos"

Carmen Guilherme | há 3 semanas

Luís Montenegro responde a Mortágua e diz que as suas acusações fazem-na parecer "candidata a ministra da Saúde do doutor Pedro Nuno Santos".

Bloquistas estão "obcecados com o Estado", "preocupem-se com as pessoas", diz o líder do PSD, depois de Mortágua falar em "burla" numa referência à PPP em Cascais. 

"O Bloco quer vender uma realidade que não existe", "O Bloco de Esquerda fala de um país que não existe", afirma. 
  

 

"Montenegro não faz a mínima ideia de como resolver o problema da Saúde"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

"O doutor Luís Montenegro não faz a mínima ideia como é que se resolve o problema da Saúde", acusou Mortágua, sendo interrompida pelo líder da AD.

"Lamento que Mariana Mortágua tenha tão pouca confiança no SNS"

Carmen Guilherme | há 3 semanas

"Lamento que Mariana Mortágua, porta-voz de um partido de Esquerda, tenha tão pouca confiança no Serviço Nacional de Saúde. Eu confio muito e acho que vale a pena salvá-lo", disse Luís Montenegro. 

"Estamos no pior momento" do SNS, atira o líder social-democrata, deixando críticas e responsabilizando a Esquerda pelo estado da Saúde.

O líder do PSD promete "acabar em 2024/2025" com as listas de espera, dando ênfase ao programa de emergência que quer levar a cabo, nomeadamente através dos vales cirúrgicos.

"A Mariana Mortágua é corresponsável pelo pior desempenho da democracia portuguesa relativamente à gestão do SNS", aponta.


 

"BE defende soluções, o PSD defende agravamento dos problemas"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

"BE defende soluções, o PSD defende o agravamento dos problemas", acusou Mariana Mortágua.

"Quando vamos ver o que defende o PSD - que, aliás é uma cópia do programa extremista da Iniciativa Liberal ou até do Chega - vemos que é um programa que quer uma saúde mais cara e pior para as pessoas", atirou, lembrando que a Aliança Democrática (AD) ainda não apresentou o seu programa.

"Neste momento, a maior parte das queixas no Portal da Queixa da saúde são queixas por atrasos no privado. Se todos os doentes fossem enviados para o privado, o privado não teria resposta", sustentou Mariana Mortágua, que acrescentou que o privado teria de contratar médicos no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Mariana Mortágua está completamente desfasada da realidade" nos Açores

Carmen Guilherme | há 3 semanas

"Mariana Mortágua está completamente desfasada da realidade", atira Luís Montenegro, numa referência à região autónoma dos Açores.

"José Manuel Bolieiro foi muito inequívoco, muito claro, na alocução que fez na noite das eleições", afirma, lembrando que Bolieiro disseque "estava disposto a governar com maioria relativa".

"Só há uma forma de obstaculizar este Governo: se houver uma coligação do Chega com PS, aí haverá uma solução de Governo diferente", disse.

"Só há uma forma de obstaculizar a este governo, é se todas as outras força políticas, mas em particular o PS e o Chega, se unirem", considera.

"A minha expectativa é que os partidos políticos possam exercer o seu mandato com sentido de responsabilidade, reconhecendo o sinal... uma demonstração inequívoca da vontade dos açorianos", nota ainda o líder do PSD.

Açores? BE "foi a principal oposição a um governo de Direita"

Márcia Guímaro Rodrigues | há 3 semanas

O sorteio ditou que a primeira intervenção do debate entre o Bloco de Esquerda e o PSD seja de Mariana Mortágua.

"O BE é a quarta força nos Açores e foi a principal oposição a um governo de Direita, que teve consequências devastadoras para os Açores", rematou, assegurando que o partido "continuará a ser oposição a esse governo de Direito".

"No dia 11 de março, cá estaremos para fazer uma maioria que salve o país da derrocada que a direita quereria aplicar e traga soluções para os problemas que a maioria absoluta tem agravado", acrescentou.

Para recordar...

Carmen Guilherme | há 3 semanas

Fique a par de algumas das mais recentes declarações de Luís Montenegro e Mariana Mortágua.

Luís Montenegro:

"A AD não ignora a importância quer daquilo que dizem os políticos, quer os opinadores, mas a importância maior para nós são as pessoas e nós falamos para elas". O líder do PSD recusou tecer comentários sobre possíveis cenários pós-eleitorais, defendendo que não se deve "distrair" as pessoas do que é "essencial" e que os portugueses podem "confiar" na coligação Aliança Democrática (AD) "para resolver os seus problemas mais prementes"

"Tenho de ser honesto: ter contas equilibradas é bom, ter contas equilibradas à custa do sofrimento das pessoas (...) sinceramente, não é uma boa performance". Luís Montenegro considerou que "não é uma boa performance" quando os sinais financeiros e as contas equilibradas são conseguidos "à custa do sofrimento das pessoas e do empobrecimento do país".

Mariana Mortágua: 

"O BE defende e tem uma proposta para que todos os medicamentos sejam comparticipados a 100% para quem recebe abaixo do salário mínimo". A coordenadora do BE defendeu que os medicamentos devem ser comparticipados a 100% para quem recebe menos que o ordenado mínimo nacional e a 90% para os diabéticos.

"Governo da maioria absoluta incapaz de responder às questões da Saúde". Mariana Mortágua considerou que o Governo "foi incapaz de responder" aos problemas na saúde, tentando "encontrar novos modelos para escapar à falta de investimento" no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Início de cobertura

Carmen Guilherme | há 3 semanas

Boa noite! Damos início a um acompanhamento AO MINUTO do debate entre o presidente do PSD, Luís Montenegro, e a coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Mariana Mortágua. 

Recomendados para si

;
Campo obrigatório