Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Representante da República da Madeira começa a ouvir partidos 4.ª-feira

O representante da República para a Madeira começa a ouvir na quarta-feira representantes dos nove partidos com assento no parlamento regional na sequência da demissão do Presidente do Governo madeirense, Miguel Albuquerque, informou hoje o seu gabinete.

Representante da República da Madeira começa a ouvir partidos 4.ª-feira
Notícias ao Minuto

13:05 - 06/02/24 por Lusa

Política Madeira

Uma nota divulgada hoje indica que o juiz conselheiro Ireneu Barreto vai ouvir três partidos na quarta-feira, quatro no dia seguinte e termina na sexta-feira com as audiências aos representantes do PS e PSD.

As audições acontecem por ordem crescente da representação parlamentar, começando pelo Bloco de Esquerda (BE) às 15:00, seguindo-se o Pessoas-Animais-Natureza (PAN) - partido que tinha um acordo de incidência parlamentar com o governo madeirense demissionário (PSD/CDS) para assegurar a maioria absoluta na Assembleia Legislativa -- e a Iniciativa Liberal (IL).

Na quinta-feira, Ireneu Barreto recebe de manhã o Partido Comunista Português (PCP) e o CDS/PP, às 15:00 recebe o Chega e termina o dia com o Juntos Pelo Povo (JPP).

Na sexta-feira é a vez do PS (10:00) - o partido da oposição com maior representação (ocupa 11 dos 47 lugares no hemiciclo da Madeira) -- e o PSD, a maior bancada parlamentar com 20 deputados.

Depois desta ronda de audiências, o representante tomará a decisão sobre a situação governativa da Madeira, uma vez que o Presidente da República só pode intervir no processo a partir de 24 de março, quando a Assembleia Legislativa cumpre os seis meses de posse legalmente exigidos.

As hipóteses são aceitar a proposta dos partidos da maioria de substituição do executivo regional ou manter o governo de gestão até 24 de março, altura em que o parlamento regional pode ser dissolvido pelo Presidente da República e podem ser convocadas eleições antecipadas como reivindica a oposição madeirense.

Na segunda---feira, o representante da República, Ireneu Barreto, aceitou formalmente o pedido de exoneração do presidente do XIV Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, constituído arguido no âmbito de uma investigação relacionada com suspeitas de corrupção.

O decreto de exoneração de Miguel Albuquerque foi publicado em Diário da República, produzindo "efeitos imediatamente após a publicação", cerca das 18:00 do mesmo dia, tendo o executivo regional entrado em gestão.

O PSD e o CDS-PP, que governam a região em coligação com o apoio parlamentar do PAN, têm insistido na nomeação de um novo líder do executivo, considerando que a maioria parlamentar tem legitimidade para apoiar um novo Governo Regional, procurando assim evitar eleições antecipadas, como exige o PS/Madeira.

Com a demissão formal do presidente do Governo Regional, o parlamento da Madeira cancelou o debate o Orçamento para este ano, bem como as moções de censura ao Governo Regional (PSD/CDS-PP) apresentadas por PS e Chega, tendo os partidos retirado estas iniciativas.

Em 24 de janeiro, a Polícia Judiciária (PJ) realizou cerca de 130 buscas domiciliárias e não domiciliárias sobretudo na Madeira, mas também nos Açores e em várias zonas do continente, no âmbito de um processo que investiga suspeitas de corrupção ativa e passiva, participação económica em negócio, prevaricação, recebimento ou oferta indevidos de vantagem, abuso de poderes e tráfico de influência.

A operação atingiu o presidente do Governo Regional da Madeira em funções, Miguel Albuquerque, que foi constituído arguido e renunciou ao cargo.

Na sequência das buscas, a PJ deteve o então presidente da Câmara do Funchal, Pedro Calado (PSD), que também renunciou ao cargo, o líder do grupo de construção AFA, Avelino Farinha, e o principal acionista do grupo ligado à construção civil Socicorreia, Custódio Correia.

Leia Também: PCP/Madeira quer eleições antecipadas e diz que exoneração "já vem tarde"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório