Meteorologia

  • 18 JULHO 2024
Tempo
24º
MIN 16º MÁX 33º

Economia? AD prevê crescimento de 3,4% com choque fiscal de 5 mil milhões

A Aliança Democrática (AD) prevê um crescimento da economia portuguesa, de 2,5% em 2025 até 3,4% em 2028, através de um choque fiscal de cinco mil milhões de euros ao longo da próxima legislatura, segundo o programa macroeconómico hoje divulgado.

Economia? AD prevê crescimento de 3,4% com choque fiscal de 5 mil milhões
Notícias ao Minuto

17:37 - 24/01/24 por Lusa

Política Economia

Em resultado das medidas propostas, a coligação AD (que junta PSD, CDS-PP e PPM) prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 2,5% em 2025, 2,7% em 2026, 3% em 2027 e 3,4% em 2028, impulsionado pela procura interna, após a implementação das reformas propostas.

As previsões partem do cenário macroeconómico do Conselho de Finanças Públicas (CFP) e seguindo um "princípio de prudência", a coligação mantém a projeção daquela instituição para 2024: 1,6%.

Segundo o cenário macroeconómico da AD, a contribuir para o crescimento do PIB estará sobretudo a procura interna, com um contributo entre 2,5 pontos percentuais (pp.) e 3,1 pp..

De acordo com os economistas da coligação, o crescimento da economia será sobretudo influenciado por um choque fiscal de cinco mil milhões de euros ao longo do horizonte da próxima legislatura, com três mil milhões de euros para o IRS, 1,5 mil milhões de euros para o IRC e 500 milhões para medidas fiscais destinadas à habitação.

O cenário macroeconómico da AD aponta para um crescimento do consumo privado ligeiramente abaixo do PIB (passe de 2% em 2025 para 3,2% em 2028), enquanto o investimento se fixa acima, sobretudo entre 2025 e 2026.

A coligação prevê um aumento do investimento de 5,2% em 2025 e de 4,5% em 2026, caindo para 3,2% em 2027 e 3,4% em 2028.

A impulsionar a economia estarão também as exportações de bens e serviços, com uma taxa de crescimento de 3,8% em 2025, 4% em 2026, 4,4% em 2027 e 4,4% em 2028.

Já as importações deverão passar de 3,8% em 2025 para 3,9% em 2028.

Prevê ainda um crescimento contido do consumo público, com uma taxa de variação entre 1,7% em 2025 e 2,5% em 2028.

A AD projeta ainda que o emprego passa de 0,3% em 2024 para 1,1% em 2025, crescendo até 1,4% em 2028, enquanto a taxa de desemprego se reduz ao longo do horizonte de projeção: de 6,2% em 2025 cai para 5% em 2028.

O programa económico da AD baseia-se fundamentalmente em quatro reformas estruturais: reduzir impostos sobre o trabalho e o investimento, apostar na iniciativa privada e na produtividade, "melhor Estado e combate à corrupção" e "uma economia de futuro".

Para as concretizar prossegue 10 visões estratégicas, incluindo "ampliar as condições de efetiva liberdade económica", aumentar "a produtividade assente na melhoria contínua do capital humano", criar "condições para atração de investimento privado" ou "responsabilidade e sustentabilidade orçamental".

O líder da banca parlamentar do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, durante a conferência de imprensa sobre o programa económico, assegurou que o cenário económico da AD é conservador e remeteu os custos das medidas hoje anunciadas para a apresentação do Programa Eleitoral, altura em que será divulgado o cenário orçamental.

Joaquim Miranda Sarmento avançou, contudo, que a coligação espera um "ligeiro superavit em torno de 0,8% do PIB" e que o peso da dívida pública se reduza para 90% do PIB.

[Notícia atualizada às 19h44]

Leia Também: "Como é que AD consegue lançar-se neste leilão de promessas sem corar?"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório