Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 29º

Marques Mendes admite candidatura presidencial "se for útil ao país"

O antigo líder social democrata frisou que se trata de "uma decisão livre, pessoal e individual".

Marques Mendes admite candidatura presidencial "se for útil ao país"
Notícias ao Minuto

22:09 - 27/08/23 por Lusa

Política Marques Mendes

O ex-presidente do PSD Luís Marques Mendes admitiu, este domingo, uma candidatura presidencial "se houver utilidade para o país" e "um mínimo de condições para avançar", rejeitando ter qualquer decisão neste momento ou acordo com o líder social-democrata.

No seu comentário televisivo na SIC, Mendes foi questionado sobre o significado político da sua presença na Festa do Pontal, a rentrée do PSD a meio de agosto no Algarve, e se tal estaria relacionado com um eventual acordo para um apoio de Luís Montenegro a uma candidatura sua a Belém.

"Nunca na minha vida falei com Luís Montenegro sobre eleições presidenciais, não há nada a falar, não há qualquer acordo", assegurou Marques Mendes, dizendo que, neste momento, "não há nem decisão nem sequer inclinação".

No entanto, o antigo presidente do PSD quis acrescentar as condições para tomar ou não essa decisão no futuro.

"Se eu um dia achar que com uma candidatura à Presidência da República posso ser útil ao país - é isso que conta -, se vir que tem alguma utilidade para o país uma candidatura minha e um mínimo de condições para se concretizar, sou franco, tomarei essa decisão, independentemente de acordo ou não acordo", afirmou.

O antigo líder parlamentar frisou que se trata de "uma decisão livre, pessoal e individual".

"Insisto: se houver utilidade para o país e um mínimo de condições, se não houver estes requisitos não haverá decisão nenhuma e também está tudo bem", disse, considerando que "é uma decisão muito pesada" e salientando faltar "uma eternidade" para as presidenciais de janeiro de 2026.

Luís Marques Mendes, 65 anos, é advogado e comentador televisivo, foi ministro Adjunto de Cavaco Silva e ministro dos Assuntos Parlamentares no Governo de Durão Barroso.

Foi eleito presidente do PSD em abril de 2005, reeleito nas diretas que introduziu no partido em 2006 e sucedido em 2007 por Luís Filipe Menezes.

Leia Também: Marques Mendes afasta regresso à vida política: "Acabou há 16 anos"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório