Meteorologia

  • 20 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 19º MÁX 27º

Livre solidariza-se com comunidade ismaelita em Portugal

O deputado do Livre, Rui Tavares, manifestou hoje consternação pela morte de duas pessoas na sequência do ataque no Centro Ismaili, em Lisboa, e solidarizou-se com a comunidade ismaelita, destacando o papel social que desempenha em Portugal.

Livre solidariza-se com comunidade ismaelita em Portugal
Notícias ao Minuto

19:59 - 28/03/23 por Lusa

Política Ataque em Lisboa

Numa declaração aos jornalistas no parlamento, Rui Tavares manifestou "a consternação do Livre com aquilo que se passou no Centro Ismaili, com o assassinato de duas pessoas".

"A comunidade ismaelita, que tem toda a nossa solidariedade e gratidão pelo papel humanitário, social, filantrópico que tem desempenhado no nosso país, merece apoio neste momento, como merece, acima de tudo, a família das vítimas por aquilo que se passou", afirmou.

O dirigente do Livre salientou que a comunidade ismaelita está em Portugal "há muitas gerações", e apesar de ser "relativamente discreta", é "conhecida de todos".

"São nossos vizinhos, são nossos amigos, são nossos colegas de trabalho, são nossos concidadãos", indicou, considerando que estas pessoas "têm desempenhado um papel extraordinário e isso deve ser salientado num dia como este".

Rui Tavares criticou "todos aqueles que fizerem um aproveitamento político de um caso criminal destes", apontando que "estão evidentemente a colocar-se do lado de fora da decência e da respeitabilidade democrática".

"Espero que quem o faça tenha da parte dos outros partidos a resposta de que com eles não quererem, de nenhuma forma, colaborar. Não podemos deixar que se degrade o ambiente do debate público no nosso país, a ponto de que um caso como este seja utilizado para meras manobras de comunicação política oportunistas e desrespeitosas da dignidade das vítimas", defendeu.

Duas mulheres foram hoje mortas no Centro Ismaili, em Lisboa, num ataque com uma arma branca por um homem que foi detido e que está hospitalizado após sido baleado pela polícia.

O ataque -- cuja motivação é ainda desconhecida -- fez mais um ferido, e foi condenado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo primeiro-ministro, António Costa.

O ministro da Administração Interna indicou que o homem afegão suspeito do ataque, que foi um presumível "ato isolado", é beneficiário do estatuto de proteção internacional e não era alvo de "qualquer sinalização" pelas autoridades.

Leia Também: Mariana e Farana. Eis as vítimas mortais do ataque no Centro Ismaili

Recomendados para si

;
Campo obrigatório