Meteorologia

  • 15 JUNHO 2024
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 22º

Comissão de inquérito à TAP quer fazer 60 audições. Começam para a semana

A comissão de inquérito à TAP vai ouvir 60 personalidades e as audições começam na próxima semana, estando entre as seis primeiras a IGF, a ex-administradora Alexandra Reis, a presidente executiva e o presidente do Conselho de Administração.

Comissão de inquérito à TAP quer fazer 60 audições. Começam para a semana
Notícias ao Minuto

22:23 - 22/03/23 por Lusa

Política TAP

De acordo com o presidente da comissão parlamentar de inquérito à tutela política da gestão da TAP, o socialista Jorge Seguro Sanches, as seis primeiras audições vão nas próximas três semanas, estando ainda por definir a ordem de acordo com os contactos com as personalidades que vão ser ouvidas.

Para além do inspetor-geral das Finanças, António Ferreira dos Santos, da ex-governante Alexandra Reis, da presidente executiva, Christine Ourmières-Widener, do presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja, juntam-se a este primeiro grupo, que começa a ser ouvido a partir da próxima semana, o administrador financeiro, Gonçalo Pires, e o presidente da CMVM, Luís Laginha de Sousa.

Os 60 pedidos de audição dos diferentes partidos com assento na comissão foram aceites durante a reunião, mas depois os deputados que compõem a mesa e coordenadores ficaram a decidir à porta fechada quais seriam os primeiros seis nomes a ser ouvidos.

Entre os pedidos dos partidos, há vários nomes que se repetem em todos os requerimentos, entre eles a presidente executiva da TAP, o presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja, a antiga administradora e ex-governante Alexandra Reis, o ex-ministro Pedro Nuno Santos e atual responsável pelas Finanças, Fernando Medina.

O partido que apresentou mais pedidos foi o PSD, com 43 personalidades, enquanto as listas mais reduzidas foram as do PS e do Chega.

Apesar do tema das audições ter sido o primeiro na agenda, o presidente optou por começar com uma exposição sobre o ponto de situação dos pedidos de documentação.

Segundo Seguro Sanches, a maioria dos documentos já foi entregue no parlamento -- faltando responder cerca de 20 pedidos -, havendo, no entanto, 100 que chegaram classificados pelas entidades.

O presidente da comissão explicou que a Assembleia da República não dispõe de um software certificado para garantir "os níveis de segurança" exigidos para a consulta dos documentos e foi decidido disponibilizar uma sala -- batizada pelo deputado do PCP Bruno Dias como "sala das coisas secretas" -- com 10 computadores para que as pessoas autorizadas possam aceder aos mesmos.

No entanto, Seguro Sanches adiantou que a partir de sexta-feira começará a ser feito um esforço para a desclassificação de todos documentos em que isso seja possível, que o presidente antecipou que será "um conjunto significativo de documentos".

Durante a discussão deste tema, a deputada do BE Mariana Mortágua manifestou preocupações sobre a garantia de que todos os grupos parlamentares têm acesso a esses terminais, bem como a disponibilidade sala e o respetivo horário, receios aos quais se associou o deputado do PSD, Hugo Carneiro.

[Notícia atualizada às 22h26]

Leia Também: CMVM diz não estar condicionada pela mediatização do caso Alexandra Reis

Recomendados para si

;
Campo obrigatório