Meteorologia

  • 25 JULHO 2024
Tempo
26º
MIN 19º MÁX 27º

"Só uma lista"? "É qualquer coisa que ofende não as vítimas mas a Igreja"

A deputada socialista, aponta que a Igreja "faz o que sempre fez: protege a Igreja e a imagem da Igreja", fazendo com que pareça "que é qualquer coisa que ofende não as vítimas mas a Igreja".

"Só uma lista"? "É qualquer coisa que ofende não as vítimas mas a Igreja"
Notícias ao Minuto

00:14 - 07/03/23 por Inês Frade Freire

Política Isabel Moreira

A deputada socialista Isabel Moreira juntou-se às críticas à decisão da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), na sexta-feira, de não afastar, para já, os padres suspeitos de abusos sexuais, denominando-a de "atitude lamentável, de proteção da Igreja".

Em comentário na SIC Notícias esta segunda-feira, a deputada do PS, considerou aquele "um relatório importantíssimo e sério que deveria ser transformador da Igreja no bom sentido".

No entanto, aponta, a Igreja "faz o que sempre fez: protege a Igreja e a imagem da Igreja", fazendo com que pareça "que é qualquer coisa que ofende não as vítimas mas a Igreja".

Indignada com as declarações feitas por Manuel Clemente sobre um relatório que considera "bem elaborado com indicações claríssimas de alguns sacerdotes com perfil de repetição", Isabel Moreira lembra que o documento "aconselha a que sejam afastados preventivamente dos locais".

"É uma lógica de juridiquês que não faz sentido nenhum", recordando a ideia de que ter sido "só uma lista de nomes não é verdade", aliás, atira: "é uma ofensa". "As vítimas foram encorajadas a falar, reviveram o trauma", explica.

Recorde-se que, na sexta-feira, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) reagiu ao relatório sobre os abusos na Igreja, com D. José Ornelas a dizer que foram entregues a cada diocese a lista dos nomes dos alegados abusadores, destacando ainda que cada diocese decidirá as medidas a aplicar a cada caso.

D. José Ornelas elaborou ainda que a Igreja vai "analisar nome a nome", e que o "processo canónico é independente do processo civil".

"Se houver outros documentos que nos cheguem para identificar o eventual abusador e o que fez de errado, evidentemente, tomaremos as respetivas medidas", vincou. 

Leia Também: Chega pede que Igreja estude suspensão preventiva de padres suspeitos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório