Meteorologia

  • 25 MAIO 2024
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 25º

Eutanásia? "Se se trata de corrigir uma palavra, cá estamos para o fazer"

PS reagiu à decisão do Tribunal Constitucional sobre a despenalização da morte medicamente assistida. Um "problema semântico", afirmou Isabel Moreira.

Eutanásia? "Se se trata de corrigir uma palavra, cá estamos para o fazer"
Notícias ao Minuto

18:28 - 30/01/23 por Carmen Guilherme

Política Eutanásia

A deputada socialista Isabel Moreira reagiu, esta segunda-feira, ao facto de o Tribunal Constitucional (TC) ter voltado a considerar que a lei que despenaliza a eutanásia é inconstitucional, referindo que, ao que tudo indica, é um "problema semântico" que será corrigido e que a maior parte da argumentação do Presidente da República não vingou.

"A maior parte da argumentação do senhor Presidente da República não vingou, nomeadamente a questão de saber se o conceito de 'doença grave e incurável' seria inconstitucional em face de um outro conceito que já existiu noutro diploma que era o de 'doença fatal' e também a questão da 'antecipação da morte'. Essas questões terem sido deixadas de fora é uma grande vitória", começou por dizer.

Notando que, "aparentemente", "a questão do TC" é de "uma palavra" - especificamente onde no decreto se define sofrimento de grande intensidade, "diz-se sofrimento fisco, psicológico e espiritual" - a deputada admite que esta terá de ser uma decisão respeitada. 

"E o TC quer que o Parlamento explicite - aquilo que para nós está absolutamente explícito, mas temos de respeitar - se é cumulativo ou não", frisou. "Se se trata de corrigir uma palavra, pois cá estamos para o fazer, em conjunto com todos os outros partidos que contribuem para este texto comum e é o que faremos de seguida", acrescentou.

"Cá estaremos para dissipar qualquer dúvida. Estão criadas condições para o diploma seguir limpo"

"Há aqui um problema semântico que para o TC foi suficientemente forte para uma pronúncia por inconstitucionalidade", notou, destacando que, "no fundo", o TC "revalida a questão da eutanásia" e "não valida as questões mais fortes levantadas pelo Presidente", apesar de ter de ler o acórdão com "muito cuidado".

"Cá estaremos para dissipar qualquer dúvida. Estão criadas condições para o diploma seguir limpo e com esta última dúvida do Tribunal Constitucional resolvida, como é natural num Estado de Direito Democrático", rematou.

Recorde-se que este foi o terceiro decreto aprovado no Parlamento sobre a eutanásia e a segunda vez que o chefe de Estado, nesta matéria, requereu a fiscalização preventiva. Marcelo já anunciou que vetou o diploma e que o devolveu ao Parlamento após o 'chumbo' do TC.

[Notícia atualizada às 18h47]

Leia Também: Marcelo devolve diploma da Eutanásia ao Parlamento após chumbo do TC

Recomendados para si

;
Campo obrigatório