Meteorologia

  • 01 FEVEREIRO 2023
Tempo
12º
MIN 5º MÁX 14º

Cravinho volta a dar explicações sobre Hospital Militar a 8 de fevereiro

A comissão parlamentar de Defesa Nacional vai ouvir o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e o secretário de Estado da Defesa, Marco Capitão Ferreira, sobre as investigações no âmbito da Operação Tempestade no dia 08 de fevereiro.

Cravinho volta a dar explicações sobre Hospital Militar a 8 de fevereiro

Segundo disse à Lusa por fonte parlamentar, a audição no âmbito do requerimento apresentado pelo PSD ficou agendada para as 10:00 de 08 de fevereiro.

Esta tarde, na Comissão dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, o ministro Gomes Cravinho já adiantou alguns dados sobre o tema, mas esta audição já estava prevista, tendo sido aprovada, com a abstenção do PS, em 18 de janeiro, na comissão de Defesa.

No requerimento, os sociais-democratas fazem uma lista de 30 perguntas às quais consideram que João Gomes Cravinho -- que tutelou a Defesa entre 2018 e 2022 - não deu resposta no debate de urgência pedido do Chega sobre este assunto que se realizou em plenário no passado dia 20 de dezembro.

O PSD pede também neste texto que seja remetida à comissão "a reavaliação pedida pelo então ministro da Defesa Nacional à auditoria realizada pela Inspeção-Geral de Defesa Nacional (IGDN), sobre a conformidade legal dos procedimentos administrativos e financeiros dos ajustes diretos da empreitada do CAMB [Centro de Apoio Militar de Belém covid-19]".

No final do ano passado, o PSD tinha apresentado um requerimento para ouvir Gomes Cravinho e o atual secretário de Estado da Defesa, Marco Capitão Ferreira, mas na altura este acabou chumbado, tendo o PS invocado que o Chega já tinha agendado o debate de urgência com a presença do ministro.

A operação "Tempestade Perfeita" foi desencadeada em dezembro pela Polícia Judiciária (PJ), em coordenação com o Ministério Público, e resultou em cinco detenções, entre as quais três altos quadros da Defesa e dois empresários, num total de 19 arguidos, que respeita ao período em que João Gomes Cravinho tutelou aquele ministério.

Um dos cinco detidos é o ex-diretor-geral de Recursos da Defesa Nacional Alberto Coelho, alegadamente envolvido na derrapagem nas obras de requalificação do Hospital Militar de Belém.

Em causa estão gastos de cerca de 3,2 milhões de euros na empreitada para reconverter o antigo Hospital Militar de Belém, em Lisboa, num centro de apoio à covid-19, obra que tinha como orçamento inicial 750 mil euros.

A derrapagem foi revelada por uma auditoria da Inspeção-Geral da Defesa Nacional (IGDN), que visou a atuação de Alberto Coelho.

Depois de sair da Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, Alberto Coelho presidiu ao Conselho de Administração da ETI (EMPORDEF - Tecnologias de Informação, S.A) entre 08 de junho de 2021 e 31 de julho deste ano, antes de pedir a aposentação, segundo informação divulgada pela empresa à Lusa.

Já o secretário de Estado da Defesa, Marco Capitão Ferreira, antes de assumir funções no Governo, era presidente da idD Portugal Defence, a `holding´ que gere as participações públicas nas empresas do setor da Defesa.

A operação designada "Tempestade Perfeita", de acordo com a Polícia Judiciária, é "uma investigação criminal cujo objeto visa apurar da eventual prática, entre o mais, de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, participação económica em negócio, abuso de poder e branqueamento, ilícitos relacionados com adjudicações efetuadas, por parte de organismo da Administração Central, a diversas empresas, as quais lesaram o Estado português em muitos milhares de euros".

Leia Também: MNE nega ter aprovado tacitamente aumento de despesas no Hospital Militar

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório