Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Ódio nas 'redes'? "É importante garantir que Governo tem tolerância zero"

Mariana Mortágua considerou que, a confirmar-se que a extrema direita está "infiltrada" nas forças de segurança, "é preocupante".

Ódio nas 'redes'? "É importante garantir que Governo tem tolerância zero"
Notícias ao Minuto

12:59 - 17/11/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Política Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda quer ouvir o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, no Parlamento, na sequência da reportagem SIC sobre a prática de crimes de ódio nas redes sociais por parte das forças de segurança portuguesas.

"Acho que a maioria das forças de segurança não são racistas, não cometem crimes", comentou Mariana Mortágua, quando questionada sobre se, a confirmar-se que 591 agentes das forças de segurança têm um discurso de ódio nas redes sociais, esta questão não mancharia o setor. "É óbvio que quando uma minoria, ainda assim expressiva, o faz, isso coloca em causa a credibilidade e dignidade das forças de segurança - revela um problema estrutural", acrescentou, dizendo também que é por isso que o partido quer ouvir o responsável pela pasta.

"É importante garantir que o Governo tem tolerância zero relativamente a este tipo de crimes", afirmou ainda a deputada. 

Mortágua sublinhou também que o conteúdo das mensagens dadas a conhecer pela reportagem são "irrelevantes" e que "o importante a reter é que - a confirmarem-se as conclusões desta investigação - há mais de cinco centenas de agentes que cometeram crimes. E que não são crimes quaisquer. São crimes de ódio. São crimes de incitamento à violência", explicou.

"É preocupante quando as denúncias revelam uma infiltração da extrema-direita violenta dentro das forças de segurança, que devem defender todas e todos", considerou.

A responsável disse ainda - mais do que uma vez - que Portugal já "tem vindo" a ser apontado nos relatórios internacionais como um país onde "este problema de violência, racismo e política de ódio" existem entre a autoridade. Mas apesar das conclusões já conhecidas Mortágua sublinhou: "Não vamos tomar a parte pelo todo.

No rescaldo de 'Quando o ódio veste a farda'

Após a emissão da reportagem 'Quando o ódio veste farda' na SIC, em parceria com o Público, o Expresso e o Setenta e Quatro, o ministro da Administração Interna determinou, na quarta-feira, a abertura de um inquérito sobre a alegada publicação, por agentes das Forças de Segurança, de mensagens nas redes sociais com conteúdo discriminatório.

Em comunicado, José Luís Carneiro referiu que determinou à Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) a abertura de um inquérito "imediato" para apuramento "da veracidade dos indícios contidos nas notícias de ontem sobre a alegada publicação, por agentes das Forças de Segurança, de mensagens nas redes sociais com conteúdo discriminatório, incitadoras de ódio e violência contra determinadas pessoas".

"Estas alegadas mensagens, que incluem juízos ofensivos da honra ou consideração de determinadas pessoas, são de extrema gravidade e justificam o caráter prioritário do inquérito agora determinado à IGAI", acrescentou a tutela.

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública garantiu que sempre que tem conhecimento de algum caso comunica-o às entidades judiciais competentes.

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia afirmou, esta quarta-feira estranhar o contexto em que foi divulgada a reportagem sobre frases discriminatórias atribuídas às forças de seguranças, mas diz que vai aguardar pelo resultado dos inquéritos entretanto abertos.

[Notícia atualizada às 13h23]

Leia Também: Ódio? Sindicato da PSP estranha contexto em que foi divulgada reportagem

Recomendados para si

;
Campo obrigatório