Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2022
Tempo
MIN 8º MÁX 14º

PCP pede "menos anúncios e mais investimento" sobre alta velocidade

O PCP considerou hoje que o projeto ferroviário de alta velocidade entre Lisboa e o Porto é "absolutamente estratégico" para o país, mas recordou que essa promessa já foi feita diversas vezes, pedindo "menos anúncios e mais investimento".

PCP pede "menos anúncios e mais investimento" sobre alta velocidade
Notícias ao Minuto

19:50 - 28/09/22 por Lusa

Política PCP

Em comunicado, o PCP reagiu ao anúncio feito hoje pelo Governo, que indicou que o país "tem condições financeiras" para assumir o projeto da alta velocidade Lisboa-Porto-Vigo, com a primeira fase de construção dessa infraestrutura a estar concluída até 2028.

O partido considera que se trata de "uma infraestrutura absolutamente estratégica para o País e para a rede ferroviária nacional, cuja construção o PCP vem reivindicando há dezenas de anos".

"É uma obra essencial ainda para libertar a via atual para uma oferta reforçada, quer urbana quer regional, e para dar sentido às ligações internacionais que a ferrovia pode e deve assegurar", lê-se na nota.

No entanto, o partido defende que "o que é completamente inaceitável é que o anúncio hoje feito já tenha sido feito em 2000 no último Governo PS com António Guterres, em 2004 no Governo PSD com Durão Barroso, em 2008 no Governo PS de José Sócrates e em 2020 já com este Governo PS de António Costa".

"Até o tempo de deslocação (1h15) e o investimento previsto (4,5 mil milhões de euros) não variam. A conclusão desta obra já esteve apontada para 2013, 2015, 2028 e agora 2030", é referido.

Para o partido, "é inaceitável que dezenas de milhões de euros tenham sido gastos em projetos e estudos cancelados, e muitos mais desperdiçados em fundos disponíveis e não utilizados e um valor incalculável perdido por falta desta infraestrutura".

"Na verdade, enquanto os sucessivos governos anunciavam e não concretizavam esta obra verdadeiramente estratégica para o País, os comboios de Alta Velocidade da CP, capazes de circular a 220 Km/h, levavam e vão levar 2h48 minutos a fazer os 330 Km entre Lisboa e Porto devido às muitas restrições de circulação na infraestrutura atual", diz o partido.

O PCP considera que "as razões que levaram os sucessivos governos a prometer e não cumprir não só revelam falta de seriedade, como são inseparáveis da submissão às orientações da União Europeia, da prioridade ao défice sobre investimento público, da ausência de políticas viradas para o desenvolvimento" do país.

"O PCP, ao mesmo tempo que acompanhará a concretização de mais este anúncio, continuará a lutar por uma política de promoção do transporte ferroviário, incluindo na vertente de construção nacional de material circulante e da sua articulação com o equilíbrio territorial e o desenvolvimento do país", conclui o comunicado.

O primeiro-ministro afirmou hoje que o país tem "condições financeiras" para assumir o projeto da alta velocidade Lisboa-Porto-Vigo "com tranquilidade" e sem "sobressaltos que o ponham em causa", sublinhando que reuniu uma "larguíssima maioria".

Segundo o projeto, a nova linha de alta velocidade Porto-Lisboa, que pretende ligar as duas principais cidades do país em apenas uma hora e 15 minutos no serviço direto, não terá paragens e será construída em três fases.

A primeira fase, o troço entre Porto e Soure, prevista concluir até 2028, tem o tempo de percurso estimado de uma hora e 59 minutos.

O segundo troço, entre Soure e Carregado, que deve estar concluído até 2030, e deverá diminuir o tempo de percurso para uma hora e 19 minutos.

A terceira fase, entre Carregado e Lisboa, "será construída mais tarde" e permitirá atingir a duração final de uma hora e 15 minutos de toda a ligação.

Leia Também: PCP quer ouvir ministra Ana Catarina Mendes sobre imigrantes timorenses

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório