Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2022
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 26º

Já houve mais de 50 eleições falhadas para a Mesa da AR

Antes da nova rejeição hoje de um candidato do Chega a vice-presidente do parlamento já tinha havido mais de 50 eleições falhadas para a Mesa da Assembleia da República desde a instauração da democracia.

Já houve mais de 50 eleições falhadas para a Mesa da AR
Notícias ao Minuto

18:06 - 22/09/22 por Lusa

Política Parlamento

PS, PSD, CDS, PRD e PCP tiveram candidatos chumbados pelos seus pares. Quase todos acabaram eleitos à segunda, terceira ou quarta votação, mas houve quem retirasse candidaturas, e a Mesa da Assembleia já funcionou com um vice-presidente a menos durante três anos, de 1995 a 1998.

O período com mais eleições falhadas, acima de 30, foi a V Legislatura, entre 1987 e 1991, quando o PSD tinha maioria absoluta e candidatos a vice-presidentes como António Marques Júnior, do PRD, e Ferraz de Abreu, do PS, não obtiveram os votos necessários repetidas vezes. Foi também o caso de Cláudio Percheiro e Apolónia Teixeira, propostos pelo PCP para secretários ou vice-secretários.

Nessa altura, a Mesa da Assembleia da República era escolhida no começo de cada sessão legislativa e algumas candidaturas repetiam-se anualmente e eram sucessivamente chumbadas, embora à terceira votação todos os membros em falta conseguissem ser eleitos.

Relativamente à presidência da Assembleia da República, Leonardo Ribeiro de Almeida, do PSD, precisou de quatro eleições para ser eleito presidente, contra Teófilo Carvalho dos Santos, do PS, em 1982, na II Legislatura, em que havia maioria da Aliança Democrática (AD) entre PSD, CDS e PPM.

Também com PSD e CDS-PP em maioria, em 2011, na XII Legislatura, Fernando Nobre falhou duas eleições consecutivas para presidente do parlamento e não se candidatou a uma terceira. Em seu lugar, os sociais-democratas propuseram depois Assunção Esteves, eleita à primeira tentativa.

A meio da I Legislatura, em 1978, mesmo sendo o único candidato, Teófilo Carvalho dos Santos, do PS, precisou de duas votações para ser eleito presidente da Assembleia da República. O mesmo aconteceu na legislatura seguinte, com Francisco Oliveira Dias, do CDS, que defrontou Teófilo Carvalho dos Santos, em 1981, no tempo da AD.

Na VI Legislatura, em 1991, segunda maioria absoluta do PSD, António Barbosa de Melo, do PSD, contra Alberto Oliveira e Silva, do PS, em 1991, só foi igualmente eleito à segunda.

Em 1995, na VII Legislatura, com o PS no Governo embora sem maioria absoluta de deputados, dois candidatos propostos pelo CDS-PP a vice-presidente e a secretária da Mesa da Assembleia, respetivamente, Krus Abecasis e Helena Santo, falharam três vezes a eleição e retiraram as candidaturas.

Krus Abecasis acabou por ser eleito vice-presidente passados mais de três anos, no fim de 1998, cinco meses antes da sua morte.

Os resultados destas eleições constam dos diários da Assembleia da República.

Em 31 de março deste ano, no início da XV Legislatura, houve três eleições falhadas para vice-presidente do parlamento, dos candidatos do Chega Diogo Pacheco de Amorim, primeiro, e Gabriel Mithá Ribeiro, depois, e da Iniciativa Liberal João Cotrim de Figueiredo, partido que a seguir que não quis propor mais nenhum candidato.

Hoje, houve mais uma eleição falhada nesta legislatura, de Rui Paulo Sousa, o terceiro candidato proposto pelo Chega para vice-presidente da Assembleia da República.

Leia Também: E à terceira (não) foi de vez. Chega falha eleição de vice do Parlamento

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório