Meteorologia

  • 04 FEVEREIRO 2023
Tempo
16º
MIN 7º MÁX 18º

Gás? "Não há um português que conheça as contas do acordo peninsular"

Nuno Melo, presidente do CDS, reagiu, em comunicado, à 'palmada' que António Costa deu à Endesa, após a empresa ter admitido aumentos de 40% na fatura da eletricidade: "O primeiro-ministro sente-se à vontade para fazer o que quer e como lhe apetece".

Gás? "Não há um português que conheça as contas do acordo peninsular"
Notícias ao Minuto

11:05 - 03/08/22 por Notícias ao Minuto

Política Endesa

"Não é a primeira vez, nem será provavelmente a última: Portugal tem um primeiro-ministro que com uma mão aponta empresas a dedo (Galp e Endesa) e com a outra escolhe os benefícios que dá a algumas (Efacec)". Esta é a posição de Nuno Melo, presidente do CDS-PP, ao 'Caso Endesa', que resultou num despacho de António Costa a determinar que os serviços do Estado não podem pagar faturas da Endesa sem validação prévia pelo secretário de Estado do Ambiente e da Energia, João Galamba.

Para o líder centrista, "em Portugal, a economia começa a resvalar perigosamente para  um sistema onde a arbitrariedade é regra e o medo de desagradar ao poder é frequente".

E, "falando de energia", acrescenta Nuno Melo, num comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso, "é possível que o presidente da Endesa tenha sido alarmista ou parcial (o tempo o dirá)". Mas há "dois factos que não devem, nem podem ser ignorados".

Primeiro, destaca, "não há um só português que conheça exatamente as contas do acordo peninsular sobre o gás e muito menos os termos comparativos da negociação entre Portugal e Espanha com a UE", com Nuno Melo a considerar que "a oposição que está no Parlamento nem denuncia, nem pergunta". "O primeiro-ministro sente-se à vontade para fazer o que quer e como lhe apetece".

Em segundo lugar, o Democrata Cristão frisa que "o primeiro-ministro permite-se elaborar um despacho que diz que as faturas de uma empresa em concreto têm de ser validadas por um secretario de Estado".

"Este estilo vingativo não é comum, nem normal na União Europeia, onde é suposto que seja o mercado a fazer as escolhas e a optar pelos melhores preços e qualidade de serviço. A partir deste gesto do primeiro-ministro, os empresários 'ficam a saber: ou se calam ou ‘levam', porque quem se mete com o PS, leva", acrescenta. 

A nota termina com Nuno Melo a 'identificar' o que diz ser a "causa" que, "em 48 anos, o CDS sempre denunciou: maioria absoluta de um só Partido, sem controlo e sem limites". O presidente do CDS vinca ainda que "falta também uma oposição na Assembleia da República, capaz de fazer a diferença que o momento impõe".

Leia Também: "Boa ação" ou "intromissão"? As reações à 'palmada' de Costa na Endesa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório