Meteorologia

  • 18 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 21º

Líder do BE diz que o país é dos "mais colonizados" da Europa na Cultura

A líder do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse hoje que a política cultural que "mexe milhões" em Portugal, faz dele um dos países "mais colonizados" na Europa e com menos produção artística.

Líder do BE diz que o país é dos "mais colonizados" da Europa na Cultura
Notícias ao Minuto

21:48 - 08/07/22 por Lusa

Política Catarina Martins

"A política cultural existe sim e mexe milhões. São os milhões que fazem de Portugal um dos países mais colonizados de toda a Europa, um dos países onde se vê menos produção artística nacional e local", acusou Catarina Martins.

A líder do BE falava hoje em Viseu, na inauguração da Sementeira, uma semana cultural que decorre até 16 de julho, com concertos, instalações e exposições, e que é organizada, há 10 anos, pelo partido a nível local e decorre no centro histórico, onde está a sede do partido.

"Dizemos que a política cultural são os 0,25 do orçamento do Estado. Se acreditássemos nisso, dizíamos que não havia política cultural. E há. A política cultural está nos 'streamings' que não paga aos artistas que passa e embora cobre dinheiro a quem vê para passar o que os artistas fazem", apontou.

E, continuou, "está nas salas de cinema que foram fechadas por todo o país, enquanto há o monopólio da Nos" e "existe sim e tira capacidade" ao país "todos os dias" a quem quer criar.

"Por isso, a Sementeira é também uma afirmação da visibilidade do nosso país, da nossa capacidade de criar, de nos  transformarmos, porque nós acreditamos neste país, nesta cidade", defendeu.

Catarina Martins elogiou todos quantos têm os seus trabalhos expostos nesta edição e destacou a sua diversidade e, por isso, sublinhou a forma como o espaço se "foi afirmando ao longo do tempo".

"E isso significa fazer as coisas de maneira diferente, aceitando tudo o que chega, dizendo que sim, que uma sede partidária é uma galeria de arte também. (...) A arte é feita de massa crítica e de liberdade e da extraordinária liberdade destas paredes e da massa crítica que se vai criando surgem obras extraordinárias", destacou.

A líder bloquista considerou ainda que "a desvalorização das artes se faz todos os dias" e partilhou, a título de exemplo, a conversa que teve com estudantes na cidade da Guarda que diziam que "só há duas escolas" naquela cidade que têm artes.

"A desvalorização das artes faz-se todos os dias, a desvalorização do interior e do país faz-se todos os dias, nestes gestos que são decididos e que nos retiram capacidade de criação. Estar aqui é esse ato revolucionário de não aceitar que assim seja e saber que a arte está no meio da nossa vida", finalizou.

Leia Também: Catarina Martins espera "convergência" na Esquerda europeia na saúde

Recomendados para si

;
Campo obrigatório