Meteorologia

  • 08 AGOSTO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 27º

Pedro Nuno Santos tem "poder suficiente" para evitar demissão após crise

Para Adolfo Mesquita Nunes, é preciso ainda contextualizar este governo no clima de guerra, inflação e problemas no SNS. 

Pedro Nuno Santos tem "poder suficiente" para evitar demissão após crise

No habitual espaço de comentário na SIC Notícias que partilha com Adolfo Mesquita, Mariana Mortágua começou, esta segunda-feira, por comentar a crise política protagonizada por António Costa e Pedro Nuno Santos, elogiando a forma como o primeiro-ministro lidou com o tema. 

"Pedro Nuno Santos quis marcar uma posição e António Costa também. E ganhou. Colocou Pedro Nuno Santos numa posição em que recuava ou saía. António Costa é bastante exímio em colocar outras figuras neste tipo de posições - entre duas más decisões", considerou a comentadora. 

A deputada do Bloco de Esquerda referiu, porém, que é mais importante comentar a "novela" do aeroporto e como o país está refém dos "interesse da Vinci, dona da ANA". 

Para Adolfo Mesquita Nunes, é preciso ainda contextualizar este Governo no clima de guerra, inflação e problemas no SNS. "Se os ministros deste Governo estão entretidos a fazer guerras de poder deve ser lamentado", uma vez que deveriam estar focados em atravessar este momento de dificuldade, vincou.

Para o ex-deputado, não se tratou de um "erro de comunicação", como Pedro Nuno Santos advogou, e a forma como tudo 'terminou' mostra que o Ministro terá mais poder "do que aquilo que se diz" - "poder suficiente" para que a demissão não lhe tenha sido imposta. 

Já sobre o aeroporto em si, considera que debate e consenso são imprescindíveis para a tomada de decisão. 

Para Mariana Mortágua, apesar da maioria absoluta, PS acumula "trapalhadas". A título de exemplo, o caos no SNS e a crise no Governo. 

Montenegro e a dificuldade em demarcar-se do Chega

Mariana Mortágua considera que Montenegro, novo presidente do PSD, enfrenta agora a dificuldade de se demarcar do Chega. "Não é fácil porque o Chega não tem uma linha política, fala muito alto, berra muito, e vai chegando a quem quer, dizendo o que cada um quer ouvir sem ter qualquer coerência", afirmou. 

Recordando a regionalização, tema polémico da intervenção de Montenegro, a deputada refere que não há uma "ideia concreta no PDS e em Montenegro". "Há uma falta de ideias estruturais do PSD para se apresentar ao país e o aeroporto é um bom exemplo", atirou. 

Leia Também: "O que houve foi um ato de deslealdade política de Pedro Nuno Santos"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório