Meteorologia

  • 30 SETEMBRO 2022
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 23º

PCP quer informações "sem meias palavras" sobre reestruturação da SATA

O PCP/Açores afirmou hoje que o Governo Regional deve apresentar a reestruturação da companhia aérea açoriana SATA "sem meias palavras", porque os açorianos "têm o direito de saber o que representa a privatização" da Azores Airlines em 51%.

PCP quer informações "sem meias palavras" sobre reestruturação da SATA
Notícias ao Minuto

13:14 - 09/06/22 por Lusa

Política Açores

Em comunicado, o PCP/Açores considera que "a tão badalada e agora anunciada e aprovada reestruturação da SATA pela Comissão Europeia, pouco de bom traz à Região".

"Pelo contrário, foi encetado um caminho perigoso, que ameaça seriamente o legítimo direito à mobilidade dos açorianos e as suas perspetivas de progresso económico", alerta o partido.

O PCP defende que "deve ser explicado a todos os açorianos o que realmente representa a privatização da SATA em 51%, e quais serão as suas consequências concretas".

O partido acusa o Governo Regional PSD/CDS-PP/PPM de conduzir este processo com "falta de transparência".

"O que se exige é que seja dado efetivo conhecimento dos conteúdos da reestruturação agora aprovada, sem meias palavras e informações a conta gotas", defende o PCP/Açores.

A Comissão Europeia aprovou na terça-feira uma ajuda estatal portuguesa para apoio à reestruturação da companhia aérea açoriana SATA, de 453,25 milhões de euros em empréstimos e garantias estatais.

A injeção financeira implica o desinvestimento de uma participação de controlo (51%) na Azores Airlines (empresa do grupo responsável pelas ligações do arquipélago ao exterior).

Prevê-se, ainda, o desdobramento da atividade de assistência em terra e uma reorganização da estrutura empresarial da SATA, com a criação de uma 'holding' que substitui a SATA Air Açores (empresa responsável pelas ligações interilhas) no controlo das suas operações subsidiárias, revelou a Comissão Europeia.

Estão ainda previstas a obrigação de a SATA ter um limite máximo na sua frota até ao final do plano de reestruturação e a proibição de, também até esse prazo, fazer qualquer aquisição de aviões.

"Se não houvesse, de facto, uma enorme diferença entre deter 49% ou 51% do capital social da SATA, a União Europeia não teria apresentado esta exigência. A entrada de capital privado em posição dominante fará com que a procura de lucro imediato do investidor, e não mais o interesse da Região, fale mais alto e determine os destinos da companhia", refere o PCP.

Para o PCP, os açorianos "têm o direito de saber o que irá acontecer em termos operacionais", nomeadamente em termos das ligações interilhas e com o exterior da região.

"A gestão danosa dos sucessivos governos regionais, tantas vezes imposta contra a opinião dos próprios trabalhadores da companhia e dos agentes económicos da Região, fez com que o grupo SATA chegasse a uma situação económica insustentável", aponta o partido.

As dificuldades financeiras da SATA perduram desde pelo menos 2014, altura em que a companhia aérea detida na totalidade pelo Governo Regional dos Açores começou a registar prejuízos, agravados pelos efeitos da pandemia de covid-19, que teve um enorme impacto no setor da aviação.

Leia Também: Bolieiro admite "limpeza" para "libertar" SATA do "histórico negativo"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório