Meteorologia

  • 16 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 26º

Portas agradado por ver que há quem não queira que CDS desapareça

Paulo Portas marca presença este domingo no congresso do partido, do qual saiu eleito o novo líder Nuno Melo

Portas agradado por ver que há quem não queira que CDS desapareça
Notícias ao Minuto

11:17 - 03/04/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Política CDS

Paulo Portas afirmou esta manhã, em Guimarães, onde decorre o congresso do CDS, que ficou agradado por ver, este fim de semana, que há quem esteja empenhado em manter o partido vivo enquanto instituição.

Portas, que presidiu ao CDS-PP durante 16 anos, veio hoje a Guimarães votar nos órgãos nacionais, como tinha anunciado no sábado, o que nunca tinha feito desde que tinha saído da liderança, regressando imediatamente a seguir a Lisboa por "compromissos profissionais".

"Decidi vir aqui hoje de manhã usar o direito de voto por inerência por ter tido esse cargo, nunca o tinha feito antes por imparcialidade, mas achei que eram circunstâncias absolutamente excecionais", afirmou, aludindo ao facto de o CDS ter perdido, pela primeira vez na história, representação parlamentar.

O antigo líder do CDS falava à saída do evento. Em declarações aos jornalistas, Paulo Portas considerou que, sendo eurodeputado desde 2009, Nuno Melo era o único candidato com "uma circunstância excepcional" e alguém a quem demonstra respeito por se ter candidato numa situação tão "hostil e adversa".

Paulo Portas, líder do CDS-PP entre 1998 e 2005 e depois entre 2007 e 2016, fez ainda uma breve análise aos discursos protagonizados no congresso, este sábado, e salientou que "o mais importante deste congresso [foi] que o CDS deitou contas à vida e não fez ajustes de contas e isso é um primeiro passo bom".

Paulo Portas foi questionado diversas vezes sobre o facto de também Manuel Monteiro ter marcado presença no congresso e se se poderia avistar uma reconciliação entre Portas e Manuel Monteiro. Recorde-se que a rutura, política e pessoal, entre os dois centristas aconteceu no congresso de 1998, do qual Paulo Portas saiu presidente do partido. 

O jurista defendeu que "é muito importante que Nuno Melo tenha um discurso de respeito por todos os passados do CDS" e atirou por fim: " estamos no século XXI, em 2022, não estamos no século XX, na década de 90".

O 29.º Congresso do CDS-PP arrancou ontem em Guimarães, no distrito de Braga, e termina hoje, com a eleição dos novos órgãos nacionais, encerrando com o discurso de consagração do novo líder eleito.

A moção 'Tempo de Construir', de Nuno Melo. foi a mais votada, com 73% dos votos, entre as quatro que estavam a votação. A moção de estratégia global visa fixar a orientação geral do partido no próximo mandato.

[Notícia atualizada às 11h54]

Leia Também: CDS: Portas declara apoio a Melo e marca presença no domingo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório