Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 7º MÁX 14º

Edição

Costa assegura que será ele a liderar o PS se houver eleições antecipadas

O primeiro-ministro afirmou hoje que será ele quem liderará o PS se houver eleições legislativas antecipadas na sequência de uma crise política, contrapondo que, pela parte do PSD, ainda se desconhece quem será o líder.

Costa assegura que será ele a liderar o PS se houver eleições antecipadas
Notícias ao Minuto

18:31 - 26/10/21 por Lusa

Política OE2022

António Costa falava no debate parlamentar da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2022, na generalidade.

Respondendo a uma intervenção da deputada social-democrata Clara Marques Mendes, o primeiro-ministro aproveitou para esclarecer uma dúvida sobre o seu futuro político a curto prazo em Portugal.

"Há uma coisa que posso garantir: O Governo assume todas as suas responsabilidades. No entendimento de haver eleições, ou no entendimento de não haver eleições", disse.

Segundo António Costa, "havendo eleições há uma coisa que se pode ter por certa: A senhora deputada [do PSD Clara Marques Mendes] não sabe quem será o seu líder", ou Rui Rio ou Paulo Rangel.

"Eu sei que liderarei o meu partido nessas eleições", frisou o primeiro-ministro.

Depois de desfazer desta forma os rumores de que poderia estar de saída da política nacional num cenário de eleições legislativas antecipadas, António Costa considerou que essa questão da liderança "é uma enorme diferença em matéria de estabilidade" entre PS e PSD.

Antes, a deputada social-democrata tinha acusado António Costa de "ter dado uma machadada" na concertação social, desrespeitando as confederações patronais.

Clara Marques Mendes considerou ainda que, nas negociações do Orçamento, o primeiro-ministro "não teve qualquer sucesso" com os seus parceiros parlamentares de esquerda, criou instabilidade política e conduziu tudo a "um beco sem saída".

"Em democracia, há sempre saída, umas melhores e outras piores", respondeu logo a seguir António Costa.

Para António Costa, a primeira "boa saída, é o Orçamento ser aprovado e tudo acabar bem e a segunda é o Orçamento não ser aprovado e haver regime de duodécimos".

"A terceira saída, que não compete a nenhum de nós comentar, porque depende única e exclusivamente da avaliação do Presidente da República, é saber se haverá ou não eleições. Nós assumimos todas as nossas responsabilidades no entendimento de haver ou não eleições", acrescentou.

Leia Também: Municípios apelam aos deputados para aprovarem OE2022

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório