Meteorologia

  • 09 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 17º

Edição

"Se amanhã não tiver OE aprovado é porque não quer", diz BE a Costa

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, disse hoje ao primeiro-ministro que se não tiver o orçamento aprovado "é porque não quer", com António Costa a acusar o BE de não ter dado "um único passo" em direção ao executivo.

"Se amanhã não tiver OE aprovado é porque não quer",  diz BE a Costa
Notícias ao Minuto

16:40 - 26/10/21 por Lusa

Política OE2022

No arranque do debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), Catarina Martins fez a primeira intervenção pela bancada do BE, acusando o Governo do PS de, nas negociações orçamentais, ter decidido "substituir a negociação pelo ultimato".

"Se amanhã não tiver um orçamento aprovado é porque não quer. Uma a uma, o primeiro-ministro rejeitou - sem explicar ao país porquê - todas as nove medidas que o Bloco de Esquerda apresentou", avisou a dirigente bloquista, considerando que o Governo fez "a sua escolha".

No entanto, para Catarina Martins, "ir para eleições é a escolha errada".

Na resposta, António Costa considerou que as negociações com o BE "tem decorrido num bom clima" e "nunca houve chantagens, nunca houve ultimatos, nunca o Governo disse que queria ir para eleições".

"O Bloco de Esquerda é que até agora não deu um único passo que fosse em direção ao Governo. Isso é que até agora nunca deu", contrapôs.

O chefe do executivo reiterou que, ao contrário do que o partido de Catarina Martins tem afirmado, o Governo procurou "ir ao encontro, uma por uma, das propostas do Bloco de Esquerda" e que o BE "diz que os passos são insuficientes".

"Senhora deputada, não me cabe a mim condicionar o sentido de voto do Bloco de Esquerda, é livre. Já o ano passado nos deixaram quando tínhamos que enfrentar a pandemia, admito que não queiram agora regressar ao combate comum que tínhamos iniciado em 2016", atirou.

No entanto, Costa tinha um pedido a fazer a Catarina Martins: "não vote contra o Orçamento do Estado porque é contra uma proposta de lei laboral que está neste momento em debate público e que ainda há de vir aqui à Assembleia da República".

Durante a sua interpelação, a líder do BE tinha afirmado que o executivo "sabe bem que é minoritário e que está obrigado a negociar".

"A sua crescente intransigência nas negociações orçamentais tem apenas um objetivo: proteger as regras da troika que ainda permanecem e que condenam o nosso país a baixos salários e baixas pensões. A direita pôs as regras na lei, o PS quer torná-las facto consumado e consolidá-las definitivamente", condenou.

Para conseguir isto, na análise de Catarina Martins, os socialistas teriam de "forçar a esquerda a abandonar o seu programa e o seu mandato".

"E é mesmo isso que tenta fazer, através da chantagem da crise política", condenou.

A coordenadora do BE recordou que "o PS sempre foi contra o corte das compensações por despedimento para 12 dias por ano de trabalho, uma medida da direita que foi além do próprio memorando da troika", questionando o porquê de não aceitar "agora reverter esse corte", uma das novas propostas que os bloquistas apresentaram.

Em relação a outra das exigências dos bloquistas, fim do "corte cego do fator de sustentabilidade", Catarina Martins citou o antigo ministro socialista Vieira da Silva quando este disse que "não fará nenhum sentido aplicar o fator de sustentabilidade a uma idade de reforma que resulta desse fator" e que "isso seria uma inaceitável dupla penalização".

"O Governo parece ter esquecido o trabalho que fizemos, mas nós lembramo-nos. E também não esquecemos o nosso compromisso com quem tem uma vida de trabalho", avisou.

Leia Também: Rio acusa Costa de passar "linha vermelha" de Mário Soares

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório