Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2021
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Moedas venceu "contra tudo e todos" porque "a democracia não tem dono"

O cabeça de lista da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, afirmou hoje ter vencido "contra tudo e contra todos", porque "a democracia não tem dono", agradeceu o "voto de confiança" e comprometeu-se a mudar a capital.

Moedas venceu "contra tudo e todos" porque "a democracia não tem dono"
Notícias ao Minuto

03:00 - 27/09/21 por Lusa

Política Autárquicas

"Obrigado, Lisboa. Que orgulho, ganhámos contra tudo e contra todos", começou por dizer o social-democrata, pelas 02:30, hora a que chegou à sala do hotel EPIC SANA Marquês de Pombal, local escolhido para acompanhamento da noite eleitoral, onde foi recebido com grande euforia, entre gritos de "Lisboa", "vitória" e "presidente".

"Fizemos história, fez-se história hoje em Lisboa", reforçou o ex-comissário europeu, referindo que já falou com o seu principal adversário, o socialista Fernando Medina, que é o atual presidente da Câmara, e que lhe desejou o melhor para a sua vida pessoal e profissional, "é muito importante, porque a democracia é isso mesmo".

Referindo não ter palavras para agradecer o "voto de confiança" que lhe foi dado pelos lisboetas, Carlos Moedas comprometeu-se a ser o presidente de todos, com a missão de "unir" e "mudar Lisboa".

"Comprometo-me, lisboetas, não vamos falhar. Comprometo-me com todos os lisboetas, é isso que vamos fazer, vamos mudar Lisboa, acreditem", reforçou o social-democrata, defendendo que a sua campanha "é a prova que se pode mudar o sistema", após 14 anos de governação socialista, "porque a democracia não tem dono".

Contando com a presença do presidente do PSD, Rui Rio, do líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, e do presidente do PPM, Gonçalo da Câmara Pereira, Carlos Moedas agradeceu aos cinco partidos que formam a coligação "Novos Tempos", assim como aos candidatos independentes que se juntaram.

O proclamado vencedor à presidência da Câmara de Lisboa referiu ainda que, com estas eleições, "os lisboetas disseram em alto e bom som que querem mudança".

"Queriam de certa forma convencer-nos de que esta mudança não ia acontecer, mas aconteceu, porque os lisboetas assim o quiseram", assinalou Moedas, considerando que, com esta eleição, se inicia "um novo ciclo, novos tempos".

O social-democrata manifestou também a convicção de que "este novo ciclo começa em Lisboa, mas não vai acabar em Lisboa".

"Queria dizer aos lisboetas que os vou ouvir, que os vou escutar no seu dia a dia", indicou o candidato, realçando a resposta aos idosos e aos jovens, assim como o apoio aos comerciantes para criar mais emprego.

"Meus amigos, apostei tudo, tudo numa única esperança, a esperança que a política está a mudar, que a política quer políticos diferentes, que a política quer pessoas diferentes e, por isso, estou aqui, é essa diferença que nos fez ganhar, é diferença que trago à política e os lisboetas disseram que 'sim' a essa nova maneira de fazer política", sublinhou, destacando a capacidade de ouvir as pessoas e a transparência.

Nestas eleições concorreram à presidência da Câmara de Lisboa Fernando Medina (coligação PS/Livre), Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), Beatriz Gomes Dias (BE), Bruno Horta Soares (IL), João Ferreira (CDU - coligação PCP/PEV), Nuno Graciano (Chega), Manuela Gonzaga (PAN), Tiago Matos Gomes (Volt), João Patrocínio (Ergue-te), Bruno Fialho (PDR), Sofia Afonso Ferreira (Nós, Cidadãos!) e Ossanda Liber (movimento Somos Todos Lisboa).

[Notícia atualizada às 03h54]

Leia Também: Medina assume derrota e "a indiscutível vitória" de Carlos Moedas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório