Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2021
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Cerca de 150 pessoas concentraram-se contra fascismo e apelaram ao voto

Cerca de 150 pessoas juntaram-se hoje em Lisboa num protesto contra o fascismo e deixaram um apelo para que, no domingo, os portugueses votem nas eleições autárquicas de forma informada.

Cerca de 150 pessoas concentraram-se contra fascismo e apelaram ao voto
Notícias ao Minuto

21:25 - 24/09/21 por Lusa

Política Autárquicas

"Fascismo nunca mais, 25 de abril sempre!". A frase foi hoje entoada por mais de uma centena de pessoas que se concentraram no Largo do Intendente, em Lisboa, numa reação à presença de Santiago Abascal, presidente do Vox, em Portugal.

O líder do partido espanhol de extrema-direita está hoje em Lisboa, convidado pelo presidente do Chega, André Ventura, e a Rede Unitária Antifascista (RUA) quis assinalar o encontro erguendo-se contra o que considera ser a reafirmação do fascismo na Europa.

"Esta concentração veio como resposta a uma reorganização da extrema-direita internacional que pretende usar Portugal como um palco para discutir e implantar o seu modelo reacionário na sociedade", explicou à Lusa Bruno Sousa, membro da organização.

No entender de Bruno Sousa, só os anos separam a proposta destes políticos e de outros movimentos e partidos de extrema-direita na Europa dos movimentos nazis e fascistas da década de 1930.

"É uma ameaça às pessoas LGBT, às mulheres, e isso já está a acontecer na Polónia e na Hungria", afirmou, considerando que o encontro entre Ventura e Abascal é "mais um pólo disso mesmo, desta vez na Península Ibérica".

Entre as vozes do protesto, ouvia-se a de Mourana Monteiro, que quis estar presente no Intendente para manifestar a sua preocupação com a ascensão da extrema-direita, partilhando muitas das visões de Bruno.

"Quando ouvimos um partido com assento na Assembleia da República, a concorrer a várias autarquias, que quer retroceder naquilo que foram conquistas na Saúde e na Educação públicas, nós, povo, não podemos ficar quietos", defendeu.

No domingo, o Chega volta a ir a eleições, desta vez para as autarquias locais. No último dia de campanha, os manifestantes quiseram também deixar um apelo aos eleitores.

"Percebo que as coisas estejam difíceis e que uma solução que se aparenta como nova pode ser ideal. Mas, tenhamos cautela e votemos de forma informada", afirmou Mourana Monteiro.

André Ventura também convidou para o encerramento da campanha autárquica do Chega Eduardo Bolsonaro, mas o filho do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e deputado federal cancelou a viagem a Portugal depois de ter testado positivo à covid-19.

Ainda assim, na concentração em Lisboa, alguns protestantes sublinharam a aparente união entre ambos.

Victor Hanstenreiter, brasileiro a viver em Portugal, foi um deles e aproveitou a experiência do Brasil sob a presidência de Bolsonaro para deixar um alerta aos portugueses.

"O Brasil está a pagar um preço muito alto por esses tipos de mensagens, de nacionalismos falsos", começou por dizer, defendendo que "sempre que pudermos, independentemente da nacionalidade, devemos dizer não ao fascismo".

Leia Também: Rodrigues dos Santos diz que CDS vai ser "a grande surpresa" no domingo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório