Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2021
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

PDR propõe unidade especializada de advogados no apoio à vítima em Lisboa

O candidato do Partido Democrático Republicano (PDR) à presidência da Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas do dia 26 propôs hoje a criação de uma unidade de advogados especialistas no apoio à vítima, patrocinada pelo município.

PDR propõe unidade especializada de advogados no apoio à vítima em Lisboa

Em declarações à Lusa após uma reunião com o presidente da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), João Lázaro, no âmbito da campanha eleitoral, o candidato do PDR disse que a maior proposta do partido neste campo é um maior apoio financeiro às vítimas, mas também a criação desta unidade especializada e mais formação para magistrados e polícias.

"Temos aqui uma proposta que foi do agrado da APAV: a criação de uma unidade de advogados especialistas de apoio à vítima patrocinados pela Câmara Municipal de Lisboa. Isto porque, em primeiro lugar, a advocacia não é uma profissão que tenha muitos especialistas nesta matéria e, por outro, os advogados não se podem especializar apenas nisto, senão morrem à fome, e se for a câmara a ter este patrocínio é uma garantia de que a vítima será bem defendida", disse.

Outra das propostas que o PDR levou até à APAV foi a aposta na formação: "Criar mais formação para os magistrados quer do Ministério Público, quer os próprios juízes, porque são eles que estão na última linha, que vão falar com as vítimas, e neste momento em Portugal há pouca empatia da magistratura com as vítimas, são muito técnicos e pouco empáticos, e é necessário reverter essa situação", sublinhou.

Bruno Fialho referiu que o Estado tem um "maior orçamento para os criminosos do que para as vítimas".

"Isto é atroz. Só num Estado de quarto mundo é que isto poderia acontecer, em que as vítimas são insignificantes, são remetidas a um papel secundário, quando deveria ser o primeiro socorro feito pelo Estado", frisou.

No seu entender, é preciso também dar formação à polícia e pugnar junto do Governo para que as aulas de Cidadania nas escolas deixem de "ser este marasmo e idiotice que são".

Para isso, defendeu que os professores desta disciplina deveriam ter formação nessa área.

"Um professor estuda Matemática para dar Matemática [...]. Todos os professores podem dar Cidadania. Se houvesse uma formação específica dos professores, estas aulas podiam ajudar no apoio às vítimas, mas o que o Governo fez foi uma medida populista, que é introduzir maioritariamente nas aulas a questão da identidade de género", sublinhou.

Na opinião de Bruno Fialho, deveria ser incutida nas aulas a empatia pela vítima, seja esta de bullying, violação, abuso sexual ou violência doméstica, dando assim mais força às vítimas para denunciar.

Além de Bruno Fialho, concorrem às eleições autárquicas do dia 26 Fernando Medina (coligação PS/Livre), Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), João Ferreira (CDU), Beatriz Gomes Dias (BE), Manuela Gonzaga (PAN), Bruno Horta Soares (IL), Nuno Graciano (Chega), Tiago Matos Gomes (Volt), João Patrocínio (Ergue-te), Sofia Afonso Ferreira (Nós, Cidadãos!) e Ossanda Liber (movimento Somos Todos Lisboa).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório