Meteorologia

  • 04 AGOSTO 2021
Tempo
27º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

PS e Costa recordam o tempo da Troika para atacar o PSD

O PS e o primeiro-ministro recordaram hoje o tempo da Troika para atacar o PSD, que acusaram de ter a austeridade como receita e de estar em negação face à resposta do Governo à atual crise.

PS e Costa recordam o tempo da Troika para atacar o PSD

"O estado da oposição, particularmente o PSD, é não só o estado de negação, de cansaço, como de alguma falta de memória", declarou a líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, durante o debate sobre o estado da nação, na Assembleia da República.

"Quando há crise, não há austeridade e não vem o diabo, eles não sabem o que é que hão de dizer", afirmou, em seguida, o primeiro-ministro, António Costa.

Ana Catarina Mendes, que falou depois da intervenção inicial do primeiro-ministro e da interpelação do líder da bancada social-democrata, Adão Silva, alegou mesmo que "os problemas do país não interessam ao PSD".

"Porque o PSD festejava com pompa e circunstância 14% de taxa de desemprego em Portugal -- hoje temos 7% e nem uma palavra, nem uma palavra. Os senhores deputados em 2014 faziam laudas ao crescimento económico de 1% - nós temos uma previsão neste momento de 4% de crescimento económico, estamos a conseguir resistir, e nem uma palavra", apontou a socialista, recordando o período de governação PSD/CDS-PP em conjuntura de assistência financeira externa.

A líder parlamentar do PS defendeu a atuação do Governo face à atual crise económica e social resultante da pandemia de covid-19, repetindo várias vezes que "o Estado não falhou".

Ana Catarina Mendes destacando os apoios às empresas para a manutenção de postos de trabalho, a criação de uma nova prestação social e o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) aprovado pela União Europeia.

Em contraponto, acusou o PSD de ter lutado junto das instâncias europeias para cortar pensões.

Em resposta à líder parlamentar do PS, o primeiro-ministro reforçou as críticas às "bancadas à direita" dos socialistas.

"Eles têm uma receita: perante crise, austeridade. Quando há uma crise e não há austeridade, eles dizem: vem aí o diabo. Quando há crise, não há austeridade e não vem o diabo, eles não sabem o que é que hão de dizer", sustentou António Costa.

Leia Também: PSD acusa Governo de cansaço e Costa recomenda "férias" a Adão Silva

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório