Meteorologia

  • 16 SETEMBRO 2019
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

Madeira aprovou voto de protesto pela contratação de Sócrates

O parlamento da Madeira aprovou hoje um voto de protesto da autoria do PSD/M pela contratação de José Sócrates como comentador da RTP, apresentado em março de 2013.

Madeira aprovou voto de protesto pela contratação de Sócrates
Notícias ao Minuto

11:37 - 25/02/14 por Lusa

Política Parlamento

A iniciativa teve os votos favoráveis da maioria social-democrata e da bancada do CDS, contando com a abstenção do PCP, PAN e PTP e contra do PS e MPT.

Roberto Vieira (MPT) considerou que este voto apenas servia para "entreter o parlamento", opinando que o PSD "não tem moral" para fazer esta crítica, porque Marcelo Rebelo de Sousa, Morais Sarmento, Manuel Ferreira Leite, Santana Lopes, Paulo Rangel, entre outros, "também são do PSD e comentadores".

Por seu turno, José Manuel Coelho (PTP) leu o texto do voto de protesto do PND, que deverá ser discutido amanhã no plenário, relativo à contratação de Alberto João Jardim como comentador no Jornal da Madeira.

Helder Spínola (PND) afirmou que "cada letrinha que Alberto João Jardim escreve no Jornal da Madeira custa dois euros, e ele escreve muitas, sendo pago com o dinheiro dos madeirenses".

"Uma contratação destas apenas acontece com Cristiano Ronaldo", frisou.

O responsável da bancada socialista, Carlos Pereira, opinou que este voto configura uma "censura à liberdade de opinião", um direito constitucionalmente consagrado que "o parlamento da Madeira ousou por em causa".

"Consideramos que o se passou aqui hoje envergonha a democracia e o presidente da Assembleia Legislativa da Madeira poderia ter evitado", argumentou, atestando que esta posição vale para outros votos sobre esta matéria que vão ser votados no parlamento.

O líder do grupo parlamentar do CDS/PP-M, Lopes da Fonseca, declarou ser "inadmissível que um governante use o erário público para branquear a sua governação, seja José Sócrates, seja Alberto João Jardim".

Numa declaração de voto, o deputado do PSD/M Coito Pita destacou que "este é um país de comentadores, mas é preciso distinguir o que é do Estado e privado", mencionando que o grupo RTP/RDP custa 240 milhões de euros por ano.

"A RTP pertence ao Estado, estão a cumprir serviço público. Que serviço público o ex-primeiro-minsitro está a fazer numa estação televisiva?", questionou.

Numa intervenção no período de antes da ordem do dia, a deputada do CDS/PP-M Isabel Torres falou da crise demográfica, considerando que o "Governo Regional não foi capaz de tomar medidas para minimizar a redução dos nascimentos e desertificação do norte" da ilha, pois "a questão demográfica não foi preocupação" .

A intervenção foi criticada pelos outros partidos que argumentaram que o CDS faz parte do Governo da República e, como tal, também responsável, pela falta de medidas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório