Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2021
Tempo
27º
MIN 14º MÁX 27º

Edição

Nuno Magalhães fala em reestruturação do SEF "clandestina" e "silenciosa"

O ex-líder parlamentar do CDS-PP Nuno Magalhães considerou a reestruturação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) como a "maior reforma" do sistema de segurança interno das últimas décadas e criticou que aconteça de forma "clandestina".

Nuno Magalhães fala em reestruturação do SEF "clandestina" e "silenciosa"

Nuno Magalhães marcou presença no primeiro dia das jornadas parlamentares dos centristas, que decorrem entre hoje e terça-feira, em São João da Madeira, distrito de Aveiro, tendo sido o moderador de um painel sobre "Soberania, segurança e investigação criminal", com o presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF, Acácio Pereira, o presidente do Conselho Europeu dos Sindicatos de Polícia, Ricardo Valadas, e o ex-presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia Paulo Rodrigues.

"É impressão minha ou estamos nos últimos dias a assistir à maior reforma, mudança, alteração, revolução, o que quiserem chamar, do sistema de segurança interno, pelo menos nos últimos 30 anos?", questionou no arranque do debate.

Nuno Magalhães, que foi também secretário de Estado da Administração Interna, considerou que esta é "uma silenciosa ou quase às vezes clandestina alteração de leis fundamentais da segurança interna, como a lei de segurança interna, como o próprio nome diz, como a lei de organização de investigação criminal, e que isso tudo está a ser feito de uma forma quase burocrática e clandestina sem se calhar o debate que estas leis que estão em vigor, e que agora vão ser alteradas, tiveram".

E criticou que esta reforma está a acontecer perante "uma sociedade letárgica que assiste à mudança do seu sistema de segurança interna, do sistema que visa proteger os seus direitos, liberdades e garantias, o seu bem mais precioso que é a sua própria segurança, como se fosse a portaria que regulamenta o tamanho dos botões do casaco de cada um".

"Quem como eu assiste agora às coisas de fora fica um pouco estupefacto que isso esteja a acontecer", sublinhou o antigo deputado.

O antigo parlamentar, que deixou a Assembleia da República no final da anterior legislatura, defendeu que "as matérias de segurança são matérias fundamentais do Estado, são matérias essenciais, nucleares".

"Por muito que seja um Estado liberal, por muito que seja um Estado mínimo, é reserva nuclear das competências do Estado matérias de segurança", acrescentou Nuno Magalhães.

A Assembleia da República aprovou na sexta-feira a proposta do Governo que define a passagem das competências policiais do SEF para a PSP, GNR e Polícia Judiciária.

O diploma foi aprovado na generalidade e será agora discutido em comissão, juntamente com projetos de lei do PSD e do BE.

A proposta do Governo sobre a restruturação do SEF teve votos favoráveis do PS e da deputada não inscrita Joacine Katar Moreira, abstenção do BE e PAN e votos contra de PSD, PCP, CDS-PP, Chega, PEV, Iniciativa Liberal (voto à distância pelo deputado João Cotrim Figueiredo por estar em isolamento profilático) e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues.

Leia Também: CDS quer que PR se pronuncie sobre transferência de competências do SEF

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório