Meteorologia

  • 26 JULHO 2021
Tempo
28º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Guarda: Quatro candidaturas disputam Câmara gerida pelo PSD desde 2013

Numa 'corrida' eleitoral que tem, para já, quatro candidatos, o PSD continua determinado em manter-se no poder e o PS volta a tentar recuperar o município da Guarda, que geriu desde as primeiras eleições autárquicas (1976) até 2013.

Guarda: Quatro candidaturas disputam Câmara gerida pelo PSD desde 2013
Notícias ao Minuto

09:27 - 14/06/21 por Lusa

Política Autárquicas

Nesse ano, o PSD ganhou as eleições na Guarda com o candidato Álvaro Amaro, que repetiu a vitória em 2017.

Nas eleições autárquicas de 2013, Álvaro Amaro, que liderou a coligação PSD/CDS-PP, foi eleito presidente da Câmara Municipal da Guarda por maioria absoluta, com 51,43% dos votos e cinco mandatos autárquicos. O PS, que candidatou o advogado José Martins Igreja, conseguiu 30,39% e a eleição de dois vereadores.

Há oito anos, o PSD acabou por beneficiar com a divisão que ocorreu no PS, quando Virgílio Bento abandonou o partido e apresentou uma candidatura independente que, depois, não chegou a concretizar-se por decisão judicial.

Quatro anos depois, em 2017, Álvaro Amaro, que concorreu apenas pelo PSD, obteve uma vitória 'histórica', com 61,20% dos votos e cinco mandatos autárquicos, e o PS, que candidatou o antigo autarca de Seia Eduardo Brito, obteve 23,35% e elegeu dois vereadores.

Nas eleições deste ano, visando manter o poder, o PSD candidata o atual autarca Carlos Chaves Monteiro, de 52 anos, licenciado em Direito, que substituiu Álvaro Amaro na presidência da Câmara da Guarda quando este foi para o Parlamento Europeu.

No entanto, após a saída de Álvaro Amaro da presidência da autarquia, em abril de 2019, o social-democrata Sérgio Costa, que assumiu a vice-presidência, entrou em 'rota de colisão' com Carlos Chaves Monteiro e em março de 2020 passou a vereador sem pelouros.

Em maio deste ano, Sérgio Costa abandonou o partido e a liderança da concelhia local do PSD, passou a vereador independente e assumiu a candidatura, também como independente, à liderança do município da cidade mais alta do país, por discordar da escolha do candidato, uma vez que a estrutura concelhia tinha indicado o seu nome.

Com a demissão de Sérgio Costa, de 44 anos, engenheiro mecânico, o PSD perdeu a harmonia que existia desde 2013.

E se o PSD está determinado em manter a liderança na autarquia da Guarda, com a continuidade do atual presidente, o PS, que candidata o diretor do Estabelecimento Prisional local, Luís Couto, quer recuperar o antigo 'bastião' socialista, aproveitando alguma fragilidade apresentada pelos sociais-democratas.

Luís Couto, natural da freguesia de Famalicão da Serra, Guarda, de 63 anos, candidata-se como independente pelo PS.

O Chega, que concorre pela primeira vez à liderança da maior autarquia do distrito da Guarda, candidata Francisco Dias, de 61 anos, licenciado em Gestão de Empresas e técnico superior no município, que é natural da freguesia de Avelãs da Ribeira, também no concelho.

O município da Guarda faz parte da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela e possui uma superfície de 712 quilómetros quadrados.

Segundo o portal Pordata, em 2019, o município tinha uma população residente de 39.036, sendo 23,10% idosos com 65 anos ou mais.

Dados disponibilizados pelo Eyedata indicam que o ganho médio mensal dos trabalhadores por conta de outrem era, em 2018, no valor de 1.054.80 euros, e o número de médicos por mil habitantes, em 2019, estava em 7,2.

Leia Também: Braga: Deputado candidata-se pelo PS e propõe transportes gratuitos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório