Meteorologia

  • 21 JUNHO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 22º

Edição

Selminho é "mais um caso de indícios de corrupção entre políticos"

O candidato do Partido Popular Monárquico à Câmara do Porto afirmou hoje que o caso Selminho é "mais um caso de indícios de corrupção entre políticos em Portugal", criticando a reação de Rui Moreira à decisão do tribunal.

Selminho é "mais um caso de indícios de corrupção entre políticos"
Notícias ao Minuto

22:08 - 18/05/21 por Lusa

Política PPM

Em comunicado, Diogo Araújo Dantas, candidato do Partido Popular Monárquico (PPM) à presidência da Câmara do Porto afirma que "este é apenas mais um caso de indícios de corrupção entre políticos em Portugal" e destaca que a "impunidade com que o poder se move na justiça é algo vergonhoso".

"Esta decisão não muda absolutamente nada" foi a afirmação mais importante, que revela bem que os donos do poder vivem num país diferente do resto dos cidadãos", afirma o candidato, referindo-se à reação do presidente da autarquia, Rui Moreira, à decisão do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de o levar a julgamento no âmbito do caso Selminho.

Numa declaração nos Paços do Concelho sem direito a perguntas dos jornalistas, o autarca independente afirmou que a decisão não interferirá na sua avaliação sobre uma recandidatura à Câmara do Porto, lamentando a mesma e considerando que "nada de novo resulta" dela.

Para Diogo Araújo Dantas, a "normalização deste comportamento" deve "preocupar", defendendo que "achar que é tudo normal é pactuar e ser cúmplice".

"Inclusive quem ficar comovido com o espetáculo televisivo", refere o candidato do PPM, acrescentando que mais do que o caso Selminho, o preocupa que a "corrupção esteja nas raízes do poder camarário e central em Portugal".

Diogo Araújo Dantas diz ainda não voltar a falar sobre o caso Selminho "até às eleições".

"Infelizmente, estes acontecimentos são normais se votamos sempre nos do costume ou seus aliados", acrescenta.

O presidente da Câmara do Porto vai a julgamento no processo Selminho, onde é acusado de favorecer a imobiliária da família, da qual era sócio, em detrimento do município, decidiu hoje o Tribunal de Instrução do Porto.

A juíza Maria Antónia Ribeiro, do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto, decidiu pronunciar (levar a julgamento) o autarca, "nos exatos termos" da acusação do Ministério Público (MP), disse à agência Lusa fonte judicial.

No debate instrutório, realizado em 29 de abril, o MP defendeu que Rui Moreira fosse a julgamento, reiterando que, enquanto presidente do município, agiu em seu benefício e da família, em prejuízo do município, no negócio dos terrenos da Arrábida. Isto, num conflito judicial que opunha há vários anos a câmara à empresa imobiliária (Selminho), que pretendia construir num terreno na escarpa da Arrábida.

A defesa de Rui Moreira, acusado de prevaricação, em concurso aparente com um crime de abuso de poder, incorrendo ainda na perda de mandato, requereu a abertura de instrução, fase facultativa que visa decidir por um Juiz de Instrução Criminal se o processo segue e em que moldes para julgamento.

Leia Também: Acusação do MP é "descabida e insultuosa" e "não tem qualquer fundamento"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório