Meteorologia

  • 19 JUNHO 2021
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 21º

Edição

BE quer Governo e UE a condenar ataques de Israel na Faixa de Gaza

A coordenadora do BE exigiu hoje, no Porto, ao Governo, a condenação dos ataques de Israel na Faixa de Gaza e que faça o mesmo no seio da União Europeia, fazendo valer o facto de deter a presidência.

BE quer Governo e UE a condenar ataques de Israel na Faixa de Gaza
Notícias ao Minuto

18:58 - 15/05/21 por Lusa

Política Gaza

"O que nós exigimos é que o Governo português tenha uma palavra forte de condenação dos ataques de Israel e, uma vez que tem a presidência da União Europeia, que convoque imediatamente reuniões ao mais alto nível para que a UE condene os ataques e proceda a sanções imediatas para travar o que está a acontecer na Faixa de Gaza", afirmou Catarina Martins.

As forças armadas israelitas destruíram hoje um edifício que albergava os escritórios da agência de notícias Associated Press e outras organizações jornalísticas em Gaza, num ataque à capacidade de os meios de comunicação reportarem o que se passa no território.

Em declarações no final de uma reunião com advogados e solicitadores, a dirigente bloquista enfatizou que "Portugal deve ter uma vocação de paz e de promoção da paz no mundo".

"Hoje estamos a assistir a bombardeamentos na Faixa de Gaza por Israel, que são atos criminosos, absolutamente criminosos. Estou a falar com jornalistas e não posso deixar de dizer que Israel bombardeou o edifício onde estava a maior agência de notícias do mundo, a Associated Press, juntamente com outras cadeias [de televisão]", acrescentou.

Do ataque, Catarina Martins acusou ser "a melhor forma de tentar esconder o ataque gigantesco que Israel está a fazer à Faixa de Gaza", para logo depois considerar que "Portugal tem tido uma postura inaceitável, uma pretensa equidistância entre Israel e a Palestina".

"O que está a acontecer é um ataque sem precedentes. Não estamos perante um conflito nem Israel está a retaliar outros ataques. Não. Estamos sob atos de crime de guerra contra a Palestina, um ataque sem precedentes sobre a Faixa de Gaza, hoje dirigido a quem faz a comunicação social, a quem, no terreno, está a dar as notícias", insistiu.

E alertou: "Os olhos do mundo não podem fechar-se e nem ser cúmplices da política criminosa de Israel".

Leia Também: Bloco considera "absurda" proposta de reforma das Forças Armadas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório