Meteorologia

  • 19 JUNHO 2021
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 21º

Edição

PS aponta contradição ao PSD por agora admitir banco na esfera pública

PSD e PS trocaram hoje acusações sobre quem são os responsáveis pelos custos do Novo Banco, com os socialistas a acusarem os sociais-democratas de mudarem de posição ao admitirem que a instituição podia ter ficado na esfera pública.

PS aponta contradição ao PSD por agora admitir banco na esfera pública
Notícias ao Minuto

16:49 - 06/05/21 por Lusa

Política Novo Banco

Numa declaração política no parlamento, o deputado do PSD Duarte Pacheco apontou algumas "omissões" à auditoria do Tribunal de Contas (TdC), mas considerou que já confirmou que "o Fundo de Resolução não teve qualquer cuidado na defesa dos contribuintes".

"O TdC reconhece a importância da venda para a estabilidade do sistema financeiro, no entanto não analisou outras alternativas diferentes da liquidação, no limite a manutenção plena do Novo Banco na esfera pública", salientou.

Já na quarta-feira, em entrevista à RTP, o presidente do PSD, Rui Rio, defendeu que a instituição deveria ter ficado na esfera do Estado antes de ser vendida, admitindo que nesse cenário até pudesse haver lucro para os contribuintes.

"O PSD nas últimas 24 horas mudou a agulha sobre o que defendeu nos últimos anos: sempre defendeu que a venda foi a melhor solução", apontou João Paulo Correia.

Alegando ter ficado "surpreendido" com a posição de Rio hoje reiterada por Duarte Pacheco, o deputado do PS disse ter encontrado dois projetos de resolução de PCP e BE que, em 2017, propunham a manutenção do Novo Banco na esfera pública.

"PSD e CDS-PP votaram contra em 2017, esse debate foi feito na altura própria, o que estava em cima da mesa era vender ou liquidar (...) A venda só decorreu em 2017 porque alguém falhou a venda em 2015, quem falhou? Há dois nomes, dois responsáveis: Pedro Passos Coelho e [o ex-governador do Bando de Portugal] Carlos Costa, o PSD que não perca a e memória", criticou.

Na resposta, Duarte Pacheco considerou existir uma diferença entre manter o banco "para sempre na esfera pública", como pretendem os partidos mais à esquerda, ou não o vender a qualquer preço.

"Se quer vender uma propriedade, mas sabe que vai perder dinheiro, pode manter essa propriedade mais um tempo e vender mais tarde. Temos como princípio que a venda é a solução, mas no entanto tem de ser em condições e de forma a rentabilizar o interesse público, e isso não aconteceu na venda de 2017", disse.

O deputado social-democrata acusou os autores da venda de 2017 de terem "escondido o contrato a sete chaves por saberem que estavam a enganar os portugueses ao dizer que não tinha custos para os contribuintes".

"E o responsável foi Mário Centeno", apontou, referindo-se ao então ministro das Finanças e atual governador do Banco de Portugal.

Leia Também: Gama Leão acusa 'chairman' indicado para Banco de Fomento de "mercenário"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório