Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 15º

Edição

PSD questiona exclusão do ensino superior da vacinação prioritária

O PSD questionou hoje o Governo sobre a exclusão de professores, investigadores e restantes funcionários dos grupos prioritários para a vacinação contra a covid-19, ao contrário de outros profissionais do setor da educação.

PSD questiona exclusão do ensino superior da vacinação prioritária
Notícias ao Minuto

20:34 - 24/03/21 por Lusa

Política PSD

Numa pergunta dirigida ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, os sociais-democratas apontam que "os professores do ensino superior têm uma média etária bastante elevada: 15% têm mais de 60 anos e 63% têm entre 40 e 60 anos". 

O PSD salienta ainda que o plano atual, que prevê "vacinar cerca de 280 mil professores e funcionários das creches ao ensino secundário", deixa "de fora quem trabalha nas universidades e institutos politécnicos", o que tem levado a críticas por parte dos sindicatos. 

"Ora se o senhor ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, na comunicação que dirigiu às instituições de ensino superior, no passado dia 19 de março, defendeu a importância de valorizar o ensino presencial e sublinhou que no ensino superior há aulas práticas, há turmas de grandes dimensões e há manipulação de instrumentos nas aulas de laboratório, há que criar as melhores condições para que possa ser retomado o ensino presencial a partir de 19 de abril", sustentam os deputados. 

Neste contexto, o grupo parlamentar 'laranja' pretende saber junto do executivo de António Costa "quais os fundamentos para a exclusão dos professores, investigadores e restantes funcionários do ensino superior do plano de vacinação prevista para o pessoal docente e não docente do ensino dos outros níveis de ensino". 

Os profissionais do ensino pré-escolar e 1.º ciclo, vão começar a ser vacinados este fim-de-semana, e a vacina contra a covid-19 vai chegar aos outros níveis de ensino à medida que forem desconfinando.

A 'task force' esclareceu hoje que a inclusão do grupo de professores, investigadores e restantes funcionários do ensino superior nos grupos prioritários da vacinação contra a covid-19 não se enquadra atualmente nas atividades de planeamento para o plano de vacinação.

Este esclarecimento da 'task force' surge depois de uma fonte desta estrutura ter dito hoje que a inclusão destes profissionais estava a ser analisada.

Os sindicatos que representam os trabalhadores do ensino superior têm criticado, precisamente, o facto de também trabalharem em escolas, que irão retomar o ensino presencial a 19 de abril, mas não pertencerem aos grupos prioritários de vacinação.

No dia 23, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, disse que o plano de vacinação contra a covid-19 "é para ser cumprido" e que os professores do ensino superior "não devem passar outras prioridades".

O plano, que passou este mês a incluir nos grupos prioritários de vacinação o pessoal das creches, pré-escolar, ensino básico e secundário, prevê a vacinação de cerca de 280 mil funcionários escolares, numa ação que começa este fim-de-semana e que será retomada nos dias 10 e 11 de abril.

Leia Também: "Ninguém fez frente à promiscuidade entre futebol e política como eu"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório