Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2021
Tempo
MIN 6º MÁX 17º

Edição

Desconfinamento "tem de continuar a ser feito com muito gradualismo"

Encontros de Marcelo Rebelo de Sousa com os partidos terminou com o PS. Partido "manifestou ao Presidente o seu apoio à renovação do Estado de Emergência". 

Desconfinamento "tem de continuar a ser feito com muito gradualismo"

A ronda de encontros de Marcelo Rebelo de Sousa com os partidos com assento parlamentar terminou esta quarta-feira com o PS que, pela voz de José Luís Carneiro, fez um ponto de situação sobre a conversa com o chefe de Estado. O secretário-geral adjunto dos socialistas apontou, no final da reunião, que "o partido manifestou ao Presidente o seu apoio à renovação do Estado de Emergência"

"Os indicadores são relativamente positivos", apontou, acrescentando que, "por um lado, há uma redução no número de casos, uma redução no recurso aos cuidados intensivos e também uma redução no recurso aos cuidados hospitalares". 

José Luís Carneiro destacou ainda a vacinação que "tem vindo a decorrer como o previsto". "Até ao final do mês teremos cerca de um milhão de portugueses com a primeira toma e cerca de meio milhão de portugueses com a segunda toma"

Contudo, disse, "o esforço que tem vindo a ser feito não pode, de modo algum, ser deitado por terra, tem de continuar". Porque "ainda há riscos que exigem a nossa atenção", como o índice de transmissibilidade "que tem vindo a aumentar à medida que se processa o desconfinamento" e a variante inglesa "que  está já em 80% dos casos conhecidos em Portugal". 

Assim, o partido indicou a Marcelo que o desconfinamento "tem de continuar a ser feito com muito gradualismo, muita ponderação", com enfoque em diversos indicadores e capacidade para testagem e rastreios. 

Já interrogado se o Estado de Emergência em Portugal vai prolongar-se até maio, o "número dois" da direção do PS referiu que, da conversa com o Presidente da República, foi possível saber-se que "haverá uma reunião do Infarmed".

"Será no decurso da reunião do Infarmed com os epidemiologistas que haverá nova demissão relativamente ao que fazer. Portanto, as decisões que estamos a tomar exigem uma permanente reavaliação, ponderação dos indicadores e, em consequência, um conjunto de medidas em conformidade com esses mesmos indicadores", justificou.

Fique com a declaração: 

[Notícia atualizada às 18h50]

Leia Também: "Não tem sentido que o Estado de Emergência se prolongue indefinidamente"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório