Meteorologia

  • 19 ABRIL 2021
Tempo
14º
MIN 11º MÁX 22º

Edição

PCP afasta aliança de esquerda em Lisboa e admite repetir João Ferreira

O secretário-geral do PCP recusou hoje um acordo à esquerda nas autárquicas para a câmara de Lisboa, em resposta à aliança de direita, e admitiu que João Ferreira repita a candidatura pela CDU.

PCP afasta aliança de esquerda em Lisboa e admite repetir João Ferreira
Notícias ao Minuto

17:13 - 04/03/21 por Lusa

Política PCP

Questionado sobre se a aliança à direita, liderada pelo ex-comissário europeu Carlos Moedas, com PSD e CDS, iria alterar a estratégia dos comunistas, Jerónimo de Sousa afirmou que a coligação PCP-PEV já decidiu concorrer "tanto em Lisboa como no resto do país".

"Não alterou a estratégia... não é o número que assusta", afirmou o líder comunista aos jornalistas, à margem de um encontro com a Federação do Táxi, em Lisboa, e em que também não excluiu uma nova candidatura de João Ferreira, eurodeputado e vereador do PCP em Lisboa.

Com um sorriso e ironia, afirmou que "são muitos os sucedâneos do PSD e do CDS que andam aí em órbita e andam a formar essa grande coligação".

O nome do candidato da CDU será "decidido brevemente" e, questionado sobre o cenário de uma recandidatura de João Ferreira, Jerónimo de Sousa comentou como "quase opinião pessoal".

"Daria um excelente candidato, como deu um excelente vereador", afirmou.

João Ferreira foi, sucessivamente, cabeça de lista às europeias em 2014 e 2019, candidato à câmara de Lisboa em 2017 e candidato apoiado pelo partido nas presidenciais de janeiro.

De resto, "quem decidirá são os eleitores" e o secretário-geral do PCP disse estar "confiante que a CDU vai conseguir afirmar as suas posições e reforçar os seus mandatos" nas autárquicas que, a manter-se o calendário, se deverão realizar em outubro.

O PCP já concorreu em aliança com o PS e outros partidos de esquerda à câmara de Lisboa nas autárquicas de 1989, que deram a vitória a Jorge Sampaio, reeditando-a nos anos seguintes.

Na reunião com a Federação do Táxi, o PCP defendeu medidas de apoio ao setor e anunciou dois projetos de resolução, que não são projetos de lei, com recomendações ao Governo.

Carlos Ramos, da federação, afirmou aos jornalistas que foram comunicados ao PCP os problemas do setor que "se agravaram com a pandemia" e já vinham de antes, "com a concorrência desleal" das plataformas, como a Uber.

No mesmo sentido, Jerónimo de Sousa manifestou a preocupação do partido com os problemas e criticou o Governo, por ausência de resposta ou de "veto de gaveta" de medidas "já consensualizadas" num grupo de trabalho sobre o setor, não dar as respostas necessárias.

"Há centenas de táxis encontrados, que já não circulam porque são só despesas acumuladas", exemplificou.

Os comunistas defendem que devem ser encontradas soluções para serem dadas ajudas às micro, pequenas e médias empresas (MPME), tendo em conta também "a especificidade" destes empresários.

O objetivo é que "este setor resista e não vá engrossar a situação dramática de muitas micro, pequenas e médias empresas" do país devido à crise causada pela pandemia.

Entre as medidas urgentes que propõe nos projetos de resolução, o PCP propõe uma "avaliação sobre o real acesso do sector ao conjunto de medidas adotadas para apoiar a solvência das empresas e garantir os rendimentos dos trabalhadores", adotar um "sistema mais justo para a limitação do número de passageiros durante os confinamentos" e ainda "estender o prazo limite para o depósito de licenças sem o risco de perda".

[Notícia atualizada às 17h48]

Leia Também: PCP quer eliminar "obstáculos" a independentes, mas sem os favorecer

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório