Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

PS recuou na tentativa de "afastar independentes da política"

O CDS-PP acusou hoje o PS de ter recuado na sua tentativa de "afastar os independentes da política" com as últimas alterações introduzidas na lei eleitoral autárquica, que considerou "urgente" reverter.

PS recuou na tentativa de "afastar independentes da política"
Notícias ao Minuto

14:19 - 04/03/21 por Lusa

Política Autárquicas

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da Republica, no final de uma reunião com autarcas independentes, entre os quais o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, a deputada Cecília Meireles considerou que "convém não ter a memória curta" e perceber que "este é um problema" que o PS e o PSD "resolveram criar".

"Resolveram fazer uma alteração à lei eleitoral autárquica que não resolveu problema nenhum, que não tinha sido solicitada e que veio criar vários problemas e vários entraves a candidaturas independentes", disse, lembrando que o CDS se opôs.

Para o CDS-PP, PS e PSD andaram "a brincar às leis eleitorais a menos de um ano de autárquicas", o que "demonstra uma absoluta irresponsabilidade", e foi "sobretudo uma tentativa de conseguir afastar os independentes da política".

"Como na opinião pública não funcionou, o PS recuou" , frisou Cecília Meireles, defendendo que o Governo e os socialistas deveriam ter "andado ocupados a gerir o país" e a pandemia.

A deputada afirmou igualmente que "não é muito normal que os deputados votem uma coisa e que seis meses [depois] votem o seu contrário, como se isto fosse a coisa mais normal do mundo, coisas que afetam a vida de milhares e milhares de pessoas, isto não é uma brincadeira" e frisou que "se calhar seria melhor virem em primeiro lugar assumir responsabilidades".

Cecília Meireles referia-se ao projeto para a revisão da lei eleitoral autárquica que o PS entregou no parlamento no início da semana, e que visa corrigir erros constantes na atual legislação e garantir direitos de participação aos movimentos independentes de cidadãos.

As mais recentes mudanças à lei eleitoral autárquica foram aprovadas no final da sessão legislativa passada, em julho, por PS e PSD, mas têm sido muito contestadas por representantes de movimentos independentes.

Há duas semanas, também o CDS-PP entregou um projeto de lei que visa alterar a lei eleitoral para as autarquias com o objetivo de retirar "os entraves às candidaturas independentes".

Já o presidente do PSD admitiu que o partido possa propor alterações à lei eleitoral autárquica, caso algumas das reivindicações que tem ouvido aos movimentos de cidadãos sejam justas.

Hoje, Cecília Meireles considerou necessário e "urgente" tentar "resolver o problema o mais depressa possível" e "revogar todas as alterações relacionadas com candidaturas independentes que tinham sido feitas".

Questionada como é que o CDS vai votar o projeto de lei do PS, Cecília Meireles indicou que o partido vai analisar e respondeu que é preciso "perguntar ao PS como e que vota o projeto do CDS".

A deputada indicou que os centristas estão "disponíveis para resolver todos os problemas que estas duas forças políticas criaram", mas ressalvou que "a grande pergunta aqui é em relação ao PS e ao PSD, que foram os autores desta enorme trapalhada".

É preciso "caminhar é para uma maior participação de independentes e de cidadãos nas candidaturas autárquicas, não é no sentido de dificultar essa participação, isso não tem sentido nenhum", advogou, indicando que a atuação do CDS "vai ao encontro daquilo que estão a solicitar vários autarcas independentes" e que é "do mais elementar bom senso"

Leia Também: Salvador Malheiro diz que timing do anúncio cabe a cada candidato do PSD

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório