Meteorologia

  • 06 MARçO 2021
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 21º

Edição

Rui Rio dá "murro na mesa" e aponta "excessivas falhas" ao Governo

O presidente do PSD disse hoje que o partido continuará a assumir uma "posição de responsabilidade" mas advertiu que está na altura de "dar um murro na mesa", devido a "excessivas falhas" do governo na gestão da pandemia.

Rui Rio dá "murro na mesa" e aponta "excessivas falhas" ao Governo
Notícias ao Minuto

15:20 - 28/01/21 por Lusa

Política Covid-19

"Votámos favoravelmente todas as declarações do estado de emergência. Nunca regateámos colaboração, sempre que ela nos foi pedida, e sempre fizemos ouvidos moucos aos que nos procuram empurrar para uma posição política de permanente ataque ao governo em momento tão grave da nossa vida nacional", apontou o Presidente social-democrata no debate sobre a renovação do estado de emergência que decorre na Assembleia da República.

Rui Rio acrescentou que é essa "posição de responsabilidade" que o PSD vai continuar a ter, "como partido alternativo de poder ao atual governo", rejeitando "qualquer aproveitamento político desta difícil tarefa que incumbe ao executivo".

"Mas perante as graves falhas que o governo tem demonstrado, cumpre-nos aqui -- e neste momento próprio -- dar um murro na mesa e referi-las com toda a frontalidade", declarou.

E continuou, justificando que não o fez antes "porque isso seria politicamente desonesto" uma vez que "ninguém conseguia gerir a pandemia sem erros, aquando do seu começo" mas que "hoje, quase um ano volvido, a situação é bem diferente".

Como primeira crítica, Rio alertou que "andar em permanentes avanços e recuos, como o governo tem feito quanto às medidas a tomar" obriga a lembrar "a máxima militar de que ordem e contraordem dá desordem".

"Insistir teimosamente em manter as escolas abertas, quando a esmagadora maioria dos especialistas já reclamava o seu encerramento, mostra a falta de coragem para, em cada momento, fazer o que se impõe que seja feito", sustentou.

Para o PSD, não ter preparado as escolas para as aulas digitais "depois de, em junho, [o governo] ter clamado com fanfarra que elas foram um êxito" evidencia "excessiva obediência ao marketing" e "falta de respeito" pelos jovens, acrescentando que "proibir as escolas privadas de o fazerem é próprio da inveja".

"Ter os doentes dramaticamente retidos em ambulâncias por falta de lugares nos hospitais e continuar a manter fechado um hospital totalmente pronto há quase dois anos, é levar a teimosia a um extremo inaceitável na situação caótica que o SNS está a viver", lamentou ainda o líder, numa referência ao hospital de Miranda do Corvo, em Coimbra.

Na opinião de Rui Rio, "procurar alijar as suas responsabilidades, repetindo, até ser verdade, a mentira de que o PSD defendeu a abertura dos restaurantes para lá das 13 horas, é, no mínimo, um ato de ingratidão perante quem até hoje se esforçou por cooperar e, até, por poupar nas críticas a quem já há muito as merece".

Prometendo que o PSD irá continuar a "disponibilizar ao governo todos os instrumentos de combate à pandemia de que ele necessitar", Rio deixou esta tarde ao governo "na altura certa e de forma frontal" as críticas "que as excessivas falhas do governo" obrigou a fazer.

"Mas aqui fica também, com essa mesma frontalidade, a continuidade do nosso compromisso de cooperação, no respeito pelo superior interesse nacional. A bem de Portugal, esperemos, que o governo dele seja merecedor", rematou.

A Assembleia da República vota hoje o projeto de decreto presidencial que prolonga o estado de emergência até 14 de fevereiro e que permite a proibição ou limitação de aulas presenciais, restrições à circulação internacional e a mobilização de profissionais de saúde reformados, reservistas ou formados no estrangeiro.

Este é o décimo diploma do estado de emergência que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, submete ao parlamento no atual contexto de pandemia de covid-19.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai falar hoje ao país, às 20:00, na sequência da votação no parlamento do diploma que renova o estado de emergência.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório