Meteorologia

  • 02 MARçO 2021
Tempo
MIN 8º MÁX 18º

Edição

Diogo Feio: É altura de PSD e CDS prepararem seriamente as autárquicas

O ex-dirigente democrata-cristão Diogo Feio defendeu hoje que o centro-direita precisa de um "programa verdadeiramente reformista", sugeriu que PSD e CDS devem refletir sobre a sua ação futura, e que é altura de preparar as autárquicas.

Diogo Feio: É altura de PSD e CDS prepararem seriamente as autárquicas
Notícias ao Minuto

22:57 - 25/01/21 por Lusa

Política Presidenciais

Contactado pela Lusa, Diogo Feio, que foi líder parlamentar do CDS-PP, e preside atualmente ao conselho diretivo do IDL - Instituto Amaro da Costa, defendeu que o espaço não socialista "vai ter de ter um programa, um conjunto de ideias, a apresentar de uma forma estruturada aos eleitores".

"Diria que tem de ter um programa verdadeiramente reformista. Acho que o centro-direita em Portugal tem de ter uma posição muito clara em relação à forma de combater a pandemia, em relação ao modo como surgem os apoios, ou não, de natureza económica neste momento, e aos moldes pelos quais vamos sair da crise", disse Diogo Feio, vice-presidente do conselho nacional de jurisdição do CDS.

O antigo secretário de Estado da Educação advertiu que o PSD e o CDS "têm de ter discursos claros" e mostrou-se "perfeitamente convencido de que serão discursos bem diferentes daqueles que tem" o Chega, a força política liderada por André Ventura, que ficou em terceiro lugar nas eleições presidenciais de domingo, obtendo 11,9%, correspondendo a 496.661 votos.

Sobre a vitória de Marcelo Rebelo de Sousa nas presidenciais, Diogo Feio interpretou-o como um "resultado histórico e estrutural", uma vez que "pela primeira vez um Presidente da República é eleito ganhando em todos os concelhos".

A "vitória estrondosa" de Marcelo, prosseguiu Diogo Feio, tem ainda mais relevância no contexto de pandemia que Portugal está a viver.

Os sociais-democratas e os centristas "estiveram de fora destas eleições" porque apoiaram a recandidatura do chefe de Estado, o único candidato sem "intenções partidárias", sustentou, considerando que é a altura de os dois partidos refletirem sobre a sua ação futura.

"O PSD e o CDS assumiram não o fazer [apresentar candidatos do próprio partido) e, portanto, agora também devem ler os resultados eleitorais de umas eleições em que não eram diretamente participantes e retirar conclusões em relação à sua ação futura. Diria que, neste momento, é altura de preparar seriamente as eleições autárquicas", sugeriu.

Leia Também: Presidenciais: Esquerda pode ter sido penalizada pelo voto de protesto

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório