Meteorologia

  • 02 MARçO 2021
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 18º

Edição

BE vê com "preocupação" compra da Lusa pelo empresário Marco Galinha

O Bloco de Esquerda (BE) questionou hoje o Governo sobre a compra de uma participação da Lusa pelo grupo Bel, do empresário Marco Galinha, manifestando "preocupação" com esta operação, disse hoje à Lusa o deputado bloquista Jorge Costa.

BE vê com "preocupação" compra da Lusa pelo empresário Marco Galinha
Notícias ao Minuto

20:13 - 18/01/21 por Lusa

Política Media

Em 04 de janeiro, a Impresa anunciou a celebração de um contrato-promessa com a Páginas Civilizadas (Grupo Bel), do empresário Marco Galinha, que é acionista da Global Media, para a venda da sua posição de 22,35% na agência de notícias Lusa por 1,250 milhões de euros.

"É com preocupação que vemos estas movimentações e perguntámos ao Governo se foi informado previamente das intenções do acionista privado Impresa, se considerou a possibilidade de recuperação pelo Estado" da participação que é detida pela dona da SIC e como vê "estas movimentações que podem afetar a agência de notícias no seu conjunto, na sua estratégia", disse Jorge Costa.

O deputado do Bloco de Esquerda destacou dois aspetos nesta operação.

Uma "é o facto de haver uma concentração inédita da parte privada da propriedade da agência Lusa nas mãos de um único grupo económico, o que só por si é motivo de preocupação na medida em que na pluralidade dos detentores privados de capital da Lusa - que sendo sempre minoritários - a opção política no passado foi a de os diversificar", salientou.

O empresário Marco Galinha é acionista da Global Media Group (GMG), a qual é acionista da Lusa com 23,36%.

"O segundo elemento é que parece haver sinais de que associada a esta intenção de compra pelo grupo Bel poderá estar um projeto de entrada da agência espanhola Efe no capital da portuguesa Lusa", prosseguiu.

Tal "seria no mínimo estranho, sendo a Lusa um instrumento de soberania no sentido em que cumpre funções de agência de informação nacional, que é determinante no panorama informativo nacional", como também fora do país, "nos países lusófonos, em particular", destacou.

Também o PCP questionou o Governo sobre a compra da participação da Lusa pela Páginas Civilizadas.

Na terça-feira, será apreciado e votado na comissão parlamentar de Cultura e Comunicação o requerimento do PS e PSD para audição da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e da AdC sobre esta operação.

Além da Impresa e da GMG, a Lusa é detida em 50,14% pelo Estado português.

A NP - Notícias de Portugal detém 2,72% da Lusa, o Público 1,38%, a RTP 0,03%, O Primeiro de Janeiro 0,01% e a Empresa do Diário do Minho 0,01%.

A celebração do contrato definitivo para venda das ações da Lusa está sujeita "à finalização de uma auditoria contabilística e financeira e à não oposição à transação por parte da AdC (ou confirmação de que a notificação à AdC não é necessária)", de acordo com o comunicado da dona da SIC.

Contactada pela Lusa sobre a venda da participação na agência de notícias, fonte oficial da tutela disse no início do mês que "o Ministério [da Cultura] está a acompanhar a operação", escusando-se a fazer mais comentários sobre o assunto.

Em novembro, a AdC deu 'luz verde' ao Grupo Bel para ficar com o controlo exclusivo da Global Media Group (GMG), que detém o Diário de Notícias, o Jornal de Notícias, a TSF e outros meios de comunicação social.

O grupo Bel foi fundado em 2001 por Marco Galinha e tem atividades em vários setores, entre os quais máquinas de 'vending' (máquinas de venda automática) e aeronáutica. Entrou nos media em 2018, através do Jornal Económico.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório