Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2021
Tempo
18º
MIN 9º MÁX 20º

Edição

Covid-19: BE critica que não se saiba quando chegam apoios à economia

A coordenadora do BE, Catarina Martins, apontou hoje incoerência a algumas das novas regras do estado de emergência, considerando estranho que, "sabendo-se a hora do recolher obrigatório, não se saiba quando é que chega o apoio devido" à economia.

Covid-19: BE critica que não se saiba quando chegam apoios à economia

No final de uma reunião com a CGTP, em Lisboa, Catarina Martins respondeu aos jornalistas que o BE "não contesta a necessidade de medidas que previnam o aumento do contágio" uma vez que o "SNS está sob muita pressão".

"Mas é também certo que nas regras que são implementadas agora, nem todas têm uma coerência muito óbvia e, portanto, temos algumas dúvidas", assumiu.

Uma grande preocupação manifestada pela líder do BE foi o facto de, sabendo-se "a hora a que começa o recolher obrigatório, não se saiba quando é que chega o apoio àquele trabalhador que ficou sem rendimento por causa das regras de contenção da pandemia".

"Nós pedimos a alguns setores de atividade que suspendam a sua atividade ou que paralisem em parte para preservar a saúde de todos. Assim como o fazemos, temos depois de os apoiar", defendeu.

Em setores como a restauração, o turismo, a cultura ou o desporto, para Catarina Martins, é estranho que, "sabendo-se a hora do recolher obrigatório, não se saiba quando é que chega o apoio que é devido àquelas pessoas a quem se pediu para travarem a sua atividade em nome da saúde de todos".

"A solidariedade tem de funcionar nas duas direções e se lhes é pedido sacrifício da sua atividade para preservar a saúde pública, é também preciso garantir-lhes os apoios necessários porque a paralisação da atividade tem custos enormíssimos", apelou.

Questionada sobre a entrevista à TVI de segunda-feira do primeiro-ministro, António Costa, na qual reiterou que a ministra da Saúde, Marta Temido, tem confiança política reforçada e sustentou que, até agora, o SNS "não falhou em nada" na resposta à covid-19, Catarina Martins começou por referir que "o SNS português é, seguramente, um dos melhores serviços nacionais de saúde".

"Tem problemas e tem fragilidades, mas é um SNS que não fecha a porta a ninguém", enfatizou, realçando o orgulho que tem neste serviço e em todos os seus profissionais.

No entanto, a líder bloquista salientou que "o SNS tem muita dificuldade em responder à pandemia e a responder a tudo o resto ao mesmo tempo e precisa de mais capacidade e os seus profissionais estão exaustos e precisam de ser mais".

"Nós sabemos que ele é bom e é bom pelos seus profissionais, mas sabemos que precisa de mais capacidade e de mais gente e que a responsabilidade do Governo, do parlamento, do Orçamento do Estado é criar mais condições para o SNS", justificou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório