Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2020
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

BE e PS em "divórcio". Vital Moreira acusa Bloco de "cinismo oportunista"

Ex-eurodeputado socialista comenta o confronto entre o Bloco de Esquerda e o Partido Socialista sobre o Orçamento do Estado para 2021, considerando que "tudo indica que o namoro de quatro anos, em tempos de 'vacas gordas', deu em divórcio litigioso e insidioso, quando a crise começou a morder a sério".

BE e PS em "divórcio". Vital Moreira acusa Bloco de "cinismo oportunista"

Vital Moreira dedica esta quarta-feira um texto, no blogue Causa Nossa, àquilo que considera ser o "divórcio" entre o PS e o BE, depois de os bloquistas terem anunciado que votariam contra a proposta de Orçamento do Estado para 2021 do Governo.

"O cinismo oportunista com que o Bloco decidiu votar contra o orçamento, apesar de todas as importantes concessões que obtivera do Governo do PS, não revela somente a incontornável leviandade política da agremiação esquerdista", critica o constitucionalista, considerando que, desta forma, o Bloco desfaz "um momento de ilusão, que muitos alimentaram"

"Ao mostrar que não é 'tábua de sustentar prego' e que pode convergir friamente com a direita num momento difícil do governo socialista (e do País), o Bloco desfaz num momento a ilusão, que muitos alimentaram, em 2015, no advento de uma nova era de alianças privilegiadas do PS com as forças à sua esquerda no parlamento, para além do tradicional 'arco da governação'". 

Perante este quadro, Vital Moreira entende que a 'parceria' entre BE e PS chegou ao fim, tendo vingado apenas em "tempos de 'vacas gordas'": "Tudo indica que o namoro de quatro anos, em tempos de 'vacas gordas', deu em divórcio litigioso e insidioso, quando a crise começou a morder a sério", disse, lembrando que nunca acreditou na "metamorfose do Bloco em força política de vocação governamental, por incompatível com o seu ADN hostil à economia de mercado e à responsabilidade orçamental". 

Vital Moreira defende, por fim, que tendo o Bloco rejeitado qualquer acordo para viabilizar o orçamento e tendo mesmo decidido votar contra, o Governo devia retirar da proposta todas as concessões que tinha feito aos bloquistas

Quanto ao PCP, que se vai abster na votação do OE na generalidade, o ex-eurodeputado observa que "os comunistas já declararam reiteradamente que excluem qualquer acordo de legislatura com os socialistas", que "não basta a sua abstenção para sustentar o Governo, como se verifica nesta ocorrência da votação do orçamento" e, sobretudo, que o "PCP parece ter entrado numa fase mais acentuada de declínio". 

Depois da aprovação na generalidade esta quarta-feira, o Orçamento do Estado para 2021 será debatido na especialidade a partir de quinta-feira, devendo as propostas de alteração entrar até ao dia 13 de novembro. O documento será sujeito a votação final global no dia 26 de novembro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório